Curta nossa página


Pisando em brasas

Kiev insiste em ofensiva, mas ninguém joga fé na ação

Publicado

Autor/Imagem:
Egor Shapovalov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

As próximas semanas verão a contra-ofensiva ucraniana “seguir seu curso”, disse o ex-economista do Fundo Monetário Internacional (FMI) e estrategista do Bank of America David Woo à mídia russa.

Woo observou que estava “realmente impressionado” com o fato de que “a tecnologia militar russa literalmente passa por uma revolução a cada três meses” e “os russos estão constantemente aprendendo com seus erros”.

“Os russos agora estão lutando com armas que não tinham 18 meses atrás porque não existiam 18 meses atrás. E isso para mim é o mais impressionante, […] enquanto o Ocidente ainda está andando no mesmo círculo, a Rússia está ficando cada vez melhor, e esta guerra vai [sic] ser vencida pela tecnologia no final”, argumentou o ex-economista do FMI.

Ele sugeriu que, embora “os ucranianos sejam bons combatentes”, a Rússia acabará por “esmagá-los”. De acordo com Woo, “se a Rússia esmagar a Ucrânia, será o fim da hegemonia americana, como sabemos”.

A tão esperada contra-ofensiva da Ucrânia começou em 4 de junho, após meses de atraso devido à falta de suprimentos militares de doadores ocidentais. O presidente russo, Vladimir Putin, destacou no mês passado que a contra-ofensiva da Ucrânia, que ele disse ter matado “dezenas de milhares” de militares ucranianos, não produziu resultados.

“Nem os recursos colossais que foram injetados no regime de Kiev, nem o fornecimento de armas, tanques, artilharia, veículos blindados e mísseis ocidentais ajudaram. A entrega de milhares de mercenários e conselheiros estrangeiros que foram usados ​​​​mais ativamente nas tentativas de romper o frente de nosso exército também não ajudou”, disse Putin em uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia na época.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, por sua vez, disse que ” o regime de Kiev não teve sucesso” e “está em uma situação muito difícil”.

“A operação militar especial continua. É óbvio que a contra-ofensiva não está funcionando da maneira que foi planejada em Kiev”, disse Peskov a repórteres.

Ele foi repetido pelo Ministério da Defesa da Rússia, que, por sua vez, disse que as tropas ucranianas continuaram tentando, mas não conseguiram avançar, pois continuam sofrendo pesadas perdas em homens e material. Vários meios de comunicação ocidentais também apontaram para os resultados inexpressivos da contra-ofensiva de Kiev, admitindo que seu progresso foi “mais lento do que o desejado”.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.