Curta nossa página


Brincando com fogo

Kim adverte Biden para risco de provocar guerra nuclear

Publicado

Autor/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição - Foto Divulgação - MoD Coreia do Norte

Os Estados Unidos correm o risco de levar a situação na Ásia “à beira de uma guerra nuclear” com suas ações, disse o enviado da Coreia do Norte às Nações Unidas, Kim Song, por ordem expressda do presidente Kim Jonj-Un.

Falando em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU convocada sobre o teste ICBM desta semana pela Coreia do Norte, Kim insistiu que o lançamento “não teve efeito negativo na segurança dos países vizinhos”.

Segundo o diplomata norte-coreano, são as “ provocações militares ” protagonizadas pelos EUA e seus “seguidores” contra Pyongyang que impactam negativamente a situação na região, com o “padrão de segurança militar na Península Coreana” atingindo a “fase de uma crise nuclear além da era da Guerra Fria”.

“Em abril, os Estados Unidos prepararam a ‘Declaração de Washington’, uma plataforma para um confronto nuclear com a RPDC. Como acompanhamento, os EUA estão planejando abertamente deliberar sobre o uso de armas nucleares contra nosso estado por meio de uma reunião do ‘Grupo Consultivo Nuclear’ EUA-Coréia do Sul, que será o órgão parental do EUA-Japão-Coréia do Sul ‘Aliança Nuclear Tripartite’”, disse Kim.

Ele também argumentou que os frequentes movimentos de submarinos nucleares e bombardeiros nucleares estratégicos pelos Estados Unidos “dentro e ao redor da Península Coreana”, bem como os EUA conduzindo “exercícios militares conjuntos em larga escala” na área, resultam efetivamente num quadro de ,guerra nuclear”.

Na quarta-feira, a Coreia do Norte testou seu mais novo míssil balístico intercontinental, o Hwasong-18. O míssil de combustível sólido navegou com sucesso uma distância de pouco mais de 1.000 quilômetros antes de mergulhar nas águas do Mar do Japão.

Em abril, os Estados Unidos e a Coréia do Sul concordaram em manter submarinos de propulsão nuclear em águas sul-coreanas, embora isso não implique que Seul violaria suas obrigações sob o Tratado de Não Proliferação Nuclear.

No entanto, no início deste ano, o presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol sugeriu que a Coreia do Sul poderia considerar adquirir suas próprias armas nucleares ou pedir aos Estados Unidos que reposicionassem ogivas nucleares americanas em solo sul-coreano.

Os EUA originalmente posicionaram suas ogivas nucleares na Coréia do Sul em 1958 em meio à Guerra Fria e continuaram aumentando seus números ao longo dos anos, apenas para retirá-las completamente em 1991 por ordem do então presidente dos EUA, George W Bush.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.