Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Os jornalistas

Liberdade de expressão ganha Prêmio Nobel da Paz de 2021

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

A defesa da liberdade de expressão, tão em moda, acaba de ser reconhecida mundialmente, com a outorgar do Prêmio Nobel da Paz de 2021  aos jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitri Muratov, da Rússia. A eles foi atribuída a sua “corajosa contribuição essencial para a liberdade de expressão e pelo jornalismo em seus países”. Os premiados receberão o equivalente a 6 milhões 300 mil reais.

Para o comitê do Nobel, Ressa e Muratov mostraram que liberdade de expressão “é uma condição prévia para a democracia e para uma paz duradoura”. Os dois representam jornalistas “que defendem este ideal em um mundo em que a democracia e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas”.

“O jornalismo gratuito, independente e baseado em fatos serve para proteger contra o abuso de poder, mentiras e propaganda de guerra. O comitê norueguês do Nobel está convencido de que a liberdade de expressão e a liberdade de informação ajudam a garantir um público informado”, afirmou a instituição.

A academia sueca disse também que “esses direitos são pré-requisitos essenciais para a democracia e protegem contra guerras e conflitos” e que o prêmio para os jornalistas “visa sublinhar a importância de proteger e defender estes direitos fundamentais [a liberdade de expressão e informação]”.

“Ressa usa a liberdade de expressão para expor o abuso de poder, o uso da violência e o crescente autoritarismo em seu país natal, as Filipinas”, descreveu a academia sueca. Ela é cofundadora da Rappler, uma empresa de mídia digital de jornalismo investigativo. “Liberdade de expressão e de informação são fundamentais para o funcionamento da democracia e para evitar guerras e conflitos”, afirmou a Academia.

Dmitri Muratov é editor-chefe do jornal Novaya Gazeta, um dos poucos veículos na Rússia críticos do governo do presidente russo Vladimir Putin. Seis jornalistas que trabalhavam no Novaya Gazeta foram assassinados em situações suspeitas.

O Kremlin saudou nesta sexta-feira a “coragem” e o “talento” do jornalista Dmitri Muratov , pela sua luta pela liberdade de expressão como chefe do principal diário da oposição russa.

“Felicitamos Dmitri Muratov. Trabalha incansavelmente seguindo os seus ideais, agarrando-se a eles. Ele é talentoso e corajoso”, disse o porta-voz presidencial russo, Dmitri Peskov, aos jornalistas.

Publicidade
Publicidade