Curta nossa página


Sala de aula silenciosa

Livros didáticos têm sobrevida nas bibliotecas públicas

Publicado

Autor/Imagem:
Carolina Caraballo/Agência Brasília Foto Lúcio Bernardo Jr

No silêncio da Biblioteca Pública de Ceilândia Carlos Drummond de Andrade, pertinho da casa de Nilva de Souza, ela acalenta um sonho: aos 51 anos, quer voltar ao mercado de trabalho como servidora pública. A dedicação da dona de casa tem sido diária. São horas e horas de estudo debruçada sobre os livros disponibilizados pelo espaço, uma das 32 bibliotecas mantidas pelo Governo do Distrito Federal (GDF).

“Não tenho condições de comprar material didático neste momento. Por isso, é de suma importância para mim encontrar livros de qualidade aqui, todos organizados e atualizados”, observa Nilva. “Todos os exemplares são previamente selecionados pelos professores que nos atendem em Ceilândia, o que me deixa muito segura. Se não fosse a biblioteca pública, meu estudo estaria limitado à internet”, conta.

A oferta de obras didáticas nas bibliotecas públicas do Distrito Federal mostra que a vida útil desse material vai muito além das salas de aula. É graças a esses livros que pessoas como Nilva conseguem estudar por conta própria, mesmo não estando matriculadas em uma escola. A importância desse material é tamanha que 27 de fevereiro foi escolhido como o Dia Nacional do Livro Didático.

“As obras didáticas seguem um cronograma de conteúdos que auxilia muito aqueles que já estão fora da escola”, explica a chefe da Gerência de Políticas do Livro, da Leitura e das Bibliotecas da Secretaria de Educação (SEEDF), Rejane Matias. “Com esse material, você não precisa necessariamente de um professor te orientando. Seguindo o livro, você consegue chegar ao conhecimento.”

Seleção
Os livros didáticos chegam até as bibliotecas por meio de doação. Todos passam por uma triagem, onde são separados aqueles que estão bem-conservados. As obras que se encontram em boas condições de uso são higienizadas e analisadas, para ver se estão atualizadas de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Servidora da Biblioteca Pública de Ceilândia, a professora Vânia Pires aponta que os materiais didáticos são usados tanto por alunos quanto por professores. Quem leciona recorre a eles como uma forma de complemento na hora de planejar as aulas. “Buscar outros títulos, além daqueles que já são trabalhados na escola, agrega conhecimento, permite buscar novos enfoques”, afirma.

Já para os estudantes, as obras didáticas são fundamentais para resgatar conhecimento e servir como material de consulta. “Temos diversos alunos de supletivo, gente que estuda para o Enem [Exame Nacional do Ensino Médio], para concursos públicos, para o Vestibular 60+, da Universidade de Brasília… pessoas que dependem, e muito, desses livros para estudar”, garante Vânia.

O concurseiro Rafael César de Oliveira, 33 anos, frequenta a Biblioteca Pública de Ceilândia todos os dias. E engana-se quem pensa que, para ele, o principal atrativo do espaço é o ambiente silencioso e arejado. “Os livros didáticos que encontro aqui são essenciais para mim”, conta. “Eles ficam todos organizados, são atualizados. Fica fácil encontrar os assuntos de que preciso; assim, perco menos tempo separando o material de estudo. É só chegar, pegar e ler”.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.