Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Maduro avisa a Trump que se mariners entrarem, não saem

Bartô Granja, Edição

A Venezuela está preparada para travar uma “guerra absoluta” com os EUA se Washington tomar a decisão de atacá-la, advertiu Diosdado Cabello, presidente da Assembléia Constituinte e vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela.

“Somos poucos, somos um país pequeno, somos muito humildes e é provável que entrem os fuzileiros navais dos EUA. É provável que eles entrem ”, disse Cabello, falando em um fórum em São Paulo. “O problema deles será sair da Venezuela [vivo]”, acrescentou.

“Estamos preparados [para a guerra] hoje e podemos dizer isso sem nenhuma arrogância”, enfatizou o político, acrescentando que, se os EUA desejassem, teriam uma “guerra absoluta” que uniria “todo o nosso povo em defesa de nossa pátria”. .

As tensões entre a Venezuela e os EUA aumentaram em meio a relatos da atividade militar dos EUA dentro e ao redor do espaço aéreo e do território marítimo da Venezuela no Caribe. No sábado, o Ministério da Defesa da Venezuela informou que os “aviões espiões” dos EUA ” violaram” mais uma vez o espaço aéreo venezuelano, após um incidente semelhante na semana passada em que caças venezuelanos interceptaram um avião de reconhecimento EP-3 no Caribe. .

Na sexta-feira, o almirante Craig Faller, comandante do Comando Sul dos EUA, disse que o navio-hospital USNS Comfort transitaria perto da costa nordeste da Venezuela enquanto se dirigia a Trinidad e Tobago após uma escala no Panamá. A embarcação não é conhecida por ter armamentos a bordo, mas é capaz de transportar helicópteros militares e pode acomodar até 1.000 pacientes ao lado da sua tripulação de 1 mil 300 homens.

O navio já havia participado da Guerra do Golfo Pérsico em 1990-1991 e na Guerra do Iraque em 2003, e no final de 2018, foi enviado para a América Latina com a missão oficial de ajudar países afetados por refugiados venezuelanos. Sob as Convenções de Genebra, atirar contra o Comfort seria classificado como um crime de guerra.

Na semana passada, a Suprema Corte da Venezuela derrubou a decisão da semi-extinta assembléia de oposição de convidar forças militares estrangeiras para o país, declarando a proposta inconstitucional.

A Venezuela está atolada em uma longa crise política e econômica exacerbada pela tentativa do legislador da oposição, Juan Guaidó, de tomar o poder em janeiro. Guaidó recebeu apoio dos EUA e de seus aliados europeus e latino-americanos, com Washington introduzindo sanções esmagadoras contra o país, congelando dezenas de bilhões de dólares de ativos venezuelanos no exterior, e supostamente redirecionando alguns desses fundos para Guaidó e seus associados.

O presidente venezuelano Nicolas Maduro chamou Guaidó de “fantoche” dos EUA e acusou Washington de tentar organizar um golpe em seu país. Rússia, China e dezenas de outros países se recusaram a reconhecer Guaidó, ou exigiram que os poderes externos se abstivessem de interferir nos assuntos da Venezuela.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente