Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Bombardeios intensos

Maior usina nuclear da Europa pode virar barril de pólvora

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

A usina nuclear na região de Zaporozhye, a maior da Europa, está sob bombardeio das forças ucranianas há quase dois meses, apesar dos pedidos de Moscou para parar e evitar um desastre nuclear. O Kremlin rejeitou as alegações de Kiev de atacar armas russas colocadas lá como falsas e acusou a Ucrânia de chantagem nuclear.

O governo russo avisou que não planeja retirar suas tropas de Zaporozhye, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em resposta à pergunta de um jornalista sobre se Moscou atenderia a tal pedido da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Peskov afirmou ainda que, no contexto da situação no ZNPP, a questão-chave agora é interromper o bombardeio das tropas ucranianas.

“A questão agora é forçar o lado ucraniano a parar o bárbaro bombardeio de objetos no território da estação, o que pode levar a consequências muito tristes e catastróficas”, disse ele. O porta-voz do Kremlin acrescentou que Moscou pede a todos os países que exercem influência sobre Kiev que o forcem a parar o bombardeio da usina nuclear.

A usina está sob constante bombardeio por tropas ucranianas há cerca de dois meses, apesar das repetidas advertências do Kremlin de que qualquer bombardeio pode interromper o funcionamento da usina e levar a um desastre nuclear.

Devido a constantes ameaças e destruição ocasional de linhas de energia, incluindo as que alimentam os equipamentos e mecanismos de segurança da ZNPP, todos os reatores da usina foram paralisados.

Os territórios próximos, como a cidade de Energodar, que é controlada pelos militares russos, estão atualmente sendo alimentados pela rede elétrica russa devido à paralisação dos reatores ZNPP e à destruição das linhas elétricas locais por Kiev.

A Ucrânia justifica o bombardeio alegando que a Rússia instalou armamento pesado na estação. Moscou nega veementemente essas alegações e insiste que Kiev está envolvida na chantagem nuclear da Europa para forçá-la a enviar mais armas para a Ucrânia.

Moscou concordou em receber uma missão da AIEA na fábrica para monitorar seu estado e divulgar um relato de terceiros sobre o que está acontecendo no ZNPP. No entanto, tanto a AIEA quanto os países europeus até agora se recusaram a condenar ou mesmo reconhecer o bombardeio da usina de energia por Kiev.

Publicidade
Publicidade