Curta nossa página


As telhas

Memórias da história sobrevivem a sol e chuva

Publicado

Autor/Imagem:
Daniel Marchi - Foto Reprodução/123RF

O tempo passou/A minha voz não ecoa mais nestes cômodos/Em alguns ela jamais foi ouvida/Mas meu nome continua presente

Paira, ainda, sobre as cabeças da cidade/Espia nos quartos e nos salões/Como se tudo pudesse ouvirComo se tudo pudesse testemunhar

Os amores, as traições/As amizades sinceras seladas/Os atos clandestinos e as solidões profundas/As mortes e as tristezas

Todos testemunhados pelo meu silêncio/E pelo meu nome/Nesta tarde de fevereiro eu renasci/Sob um céu que podia ser o mesmo céu da minha última partida

O último céu que vi/Ou o primeiro/Os pássaros voam igual/Os pássaros cantam igual/Ao que faziam naquele dia/E eu, ausente/Continuo aqui vigiando.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.