Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


'Sim, sou nazista'

Mercenário japonês morre em combate na Ucrânia

Publicado

Foto/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição - Foto Reprodução

O Ministério das Relações Exteriores de Tóquio confirmou oficialmente a morte de um “voluntário” japonês nas fileiras das Forças Armadas da Ucrânia em 11 de novembro. As autoridades japonesas pediram a todos os cidadãos que deixem a zona de combate da Ucrânia.

No entanto, as mídias sociais revelaram que pelo menos um cidadão japonês ainda estava inscrito nos batalhões de mercenários estrangeiros que estão ativamente engajados no país.

Esses batalhões muitas vezes recrutam por motivos ideológicos, alcançando neonazistas e a ultradireita. Um desses japoneses usou o sinal de chamada “Dobre”, que significa “Bom” em russo e ucraniano.

Mercenários estrangeiros para o resgate?
Em 27 de fevereiro, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky anunciou a criação da “Legião Internacional para a Defesa da Ucrânia” em nome de “proteger a Ucrânia, a Europa e o mundo”, convocando cidadãos estrangeiros para lutar.

A maioria dos países não apoiou formalmente a mudança. As autoridades britânicas, por exemplo, alertaram que aqueles que atendessem ao chamado poderiam ser processados ​​ao retornar. Por sua vez, o governo japonês exortou seus cidadãos a não viajarem para a Ucrânia, “independentemente do objetivo de sua visita”.

No entanto, o trabalho das embaixadas ucranianas no recrutamento de combatentes para “proteger a democracia” continuou.

Em julho, o Ministério da Defesa russo anunciou que o número de mercenários estrangeiros era de 7.107, com a maioria vindo da Polônia. Em 2 de setembro, o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, informou que o número de mercenários havia caído mais de 2/3 desde o início da operação militar especial.

Mercenários que não existem
O canal Telegram TrackANaziMerc, de rastreamento de mercenários estrangeiros, está ganhando cada vez mais popularidade.

Este canal também publica regularmente informações e fotos de neonazistas, cujos corpos mostram tatuagens com retratos de Hitler e Bandera, símbolos de tropas nazistas alemãs, além de sinais de unidades paramilitares nazistas.

Apesar de sua semelhança ideológica, esses homens são bastante diversos em termos de origem nacional, provenientes dos Estados Unidos, Canadá, América Latina, Escandinávia, outros lugares da Europa e, ao que parece, até da Ásia.

Claro, nenhum desses mercenários quer que suas fotos se tornem públicas ou que seus rostos sejam reconhecidos. Mas, o mais interessante, as identidades dos mercenários foram reveladas por… suas próprias postagens nas redes sociais, por meio de geolocalizações esquecidas dos campos de batalha, blogs de vídeo das trincheiras, viagens a supermercados ucranianos, comentários diretos de que agora estão lutando contra os russos, e fotos com tropas ucranianas famosas.

Morre o primeiro “voluntário” japonês
Em 10 de novembro, as informações sobre a morte de Dobre apareceram nas redes sociais. No dia seguinte, o Ministério das Relações Exteriores do Japão confirmou a história.

O canal Telegram informou que o japonês aparentemente aderiu às visões militaristas do Japão Imperial. Em seu microblog no Twitter, o mercenário compartilhou os detalhes de suas aventuras com seus seguidores. “Os camaradas tiraram ótimas fotos hoje. Dobre, você está ótima como sempre!”

Em 4 de novembro, soube-se que o mercenário Zeng Yuhong de Taiwan também havia sido morto. Ele havia lutado pelo Batalhão Sich dos Cárpatos, uma unidade paramilitar na Ucrânia com o maior número de estrangeiros em suas fileiras. Após sua morte, Dobre disse que “lutará junto com seu espírito até o fim da guerra” e visitará sua cidade natal após o fim das hostilidades.

“Sim, sou nazista. Então, qual é o problema?”
A maioria dos mercenários são neonazistas devotos, com Dobre sendo apenas um entre dezenas de exemplos.
No dia 6 de novembro, um mercenário português do Batalhão Sich dos Cárpatos, Rico Chaves, foi “à guerra” com os assinantes do referido canal Telegram, onde confessou sua simpatia pelo nazismo.

“Sim, sou nazista. Então qual é o problema? Gosto de lutar e matarei todos os russos na Ucrânia. Sim, estou na casa dos civis, na linha de frente. Não sou um soldado da Otan, estou no Sich dos Cárpatos. Já matei muitos russos”.

Publicidade
Publicidade