Curta nossa página


Egito

Miniatura de fóssil de baleia encontrada em deserto

Publicado

Autor/Imagem:
Mary Manley/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Cientistas descobriram uma espécie rara de baleia a partir de um fóssil de 41 milhões de anos que desenterraram no Egito, potencialmente considerado o menor a nadar pelos oceanos da Terra. O fóssil, desde então chamado de Tutcetus rayanensis (a baleia-rei Tut), é o menor cetáceo já encontrado e pertence à família Basilosauridae, um grupo primitivo de baleias que existiu desde o meio do Eoceno até o final do Oligoceno.

O fóssil foi encontrado na Depressão de Fayum – ou Fayoum Oasis, um dos vários megadesertos localizados no Deserto Ocidental do Egito.

Os cientistas escolheram nomear a baleia em homenagem ao antigo faraó egípcio Tutanhamon devido à sua tenra idade. Com base nos fósseis da pequena baleia, que incluíam seu crânio, mandíbula, dentes e fragmentos das vértebras, as autoridades descobriram que a criatura estava atingindo a idade adulta quando morreu, semelhante ao rei Tut, que se acreditava ter 18 ou 19 anos quando morreu.

“Tivemos a sorte de ter um conjunto completo de dentes inferiores de T. rayanensis e descobrimos que estava quase maduro, mas ainda subadulto”, disse Abdullah Gohar, coautor do estudo da Universidade de Mansoura, no Egito. “Seus dentes tinham esmalte muito liso, o que indica uma alimentação muito macia principalmente de peixes, lulas, polvos e outras presas que não se movem rapidamente”.

“T. rayanensis viveu rápido e morreu rápido”, acrescentou Gohar. “Isso também pode ser uma adaptação às mudanças climáticas.”

Os pesquisadores acreditam que o tamanho em miniatura da baleia e o curto ciclo de vida podem ter sido a resposta de seu corpo ao Lutetian Thermal Maximum; um evento de aquecimento global que aconteceu há cerca de 42 milhões de anos. Os animais tendem a se desenvolver em tamanhos menores em climas mais quentes, pois as fontes de alimento se tornam escassas.

[Os basilosaurídeos] desenvolveram características semelhantes às dos peixes, como corpo aerodinâmico, cauda forte, nadadeiras e barbatana caudal, e tinham os últimos membros posteriores visíveis o suficiente para serem reconhecidos como ‘pernas’, que não eram usadas para caminhar, mas possivelmente para acasalamento”, disse Hesham Sallam, líder de equipe da Universidade Americana do Cairo (AUC), em comunicado.

Sallam acrescentou que a descoberta foi “notável” e “documenta uma das primeiras fases da transição para um estilo de vida totalmente aquático”. As descobertas do estudo foram publicadas na revista Communications Biology.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.