Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Tirem a mão do botão

Moscou volta a alertar para risco de guerra nuclear

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tsukanov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia emitiu um comunicado na quarta- feira, 2, reiterando a convicção de Moscou de que uma guerra nuclear não pode ser vencida e nunca deve ser travada, e pedindo às potências nucleares que façam tudo ao seu alcance para impedir o uso de armas de destruição em massa.

“A Rússia procede da relevância contínua dos acordos e entendimentos existentes no campo do corte e limitação de armas nucleares, bem como da redução dos riscos estratégicos e da ameaça de incidentes e conflitos internacionais com escalada para o nível nuclear. Afirmamos plenamente nosso compromisso à declaração conjunta dos líderes dos cinco estados com armas nucleares sobre prevenir a guerra nuclear e evitar corridas armamentistas de 3 de janeiro de 2022”, enfatizou Moscou.

“Estamos fortemente convencidos de que na atual situação complicada e turbulenta, causada por ações irresponsáveis ​​e insolentes destinadas a minar nossa segurança nacional, a tarefa mais imediata é evitar qualquer confronto militar de potências nucleares”, acrescentou o Ministério das Relações Exteriores.

Moscou exortou os outros membros dos cinco nucleares (Estados Unidos, França, Reino Unido e China) a “demonstrarem na prática” sua disposição de trabalhar para “resolver essa tarefa prioritária” de desescalonamento e “desistir da perigosa tentativas de infringir os interesses vitais uns dos outros, equilibrando-se à beira de um conflito armado direto e incentivando provocações com armas de destruição em massa”. Este último pode levar a “consequências catastróficas”, alertou o ministério.

Moscou reiterou a essência da doutrina nuclear da Rússia, que permite o uso de armas nucleares “exclusivamente em resposta a uma agressão envolvendo o uso de armas de destruição em massa ou uma agressão com o uso de armas convencionais quando a própria existência do Estado está em jogo”.

O Ministério das Relações Exteriores pediu uma arquitetura de segurança internacional renovada com base nos princípios de estabilidade estratégica, direitos iguais entre os Estados, segurança indivisível e um entendimento mútuo dos interesses centrais de segurança das nações.

A declaração do Ministério das Relações Exteriores ocorre em meio à escalada contínua das tensões entre Moscou e a Otan sobre a Ucrânia, com o lado russo alertando que Kiev pode estar se preparando para usar uma ‘bomba suja’ para acusar a Rússia de usar armas nucleares táticas. Também ocorre em meio a relatos na semana passada de que Washington acelerou a implantação de bombas de gravidade nuclear B61-12 modernizadas nas bases da OTAN em toda a Europa.

As tensões nucleares também estão aumentando na região da Ásia-Pacífico, com a China alertando os EUA contra o aumento das ansiedades regionais após relatos de que Washington está considerando a implantação de bombardeiros estratégicos B-52 com capacidade nuclear na Austrália. “Os comportamentos relevantes dos EUA aumentaram as tensões regionais, minaram seriamente a paz e a estabilidade regionais e podem desencadear uma corrida armamentista na região”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian , em comunicado na segunda-feira.

A situação estratégica também se deteriorou na Península Coreana, com os militares norte-coreanos lançando até 17 mísseis e disparando 100 projéteis de artilharia na quarta-feira em meio a exercícios conjuntos entre EUA e Coreia do Sul. A Coreia do Norte criticou Washington como o “principal culpado por destruir a paz e a segurança” e alertou que daria uma “resposta poderosa” se Washington “continuar persistindo nas graves provocações militares” perto de suas fronteiras. O país divulgou uma nova doutrina nuclear em setembro, permitindo que armas nucleares sejam usadas no caso de um ataque nuclear inimigo iminente ou um ataque convencional “fatal”.

Publicidade
Publicidade