Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Help

Mudança climática começa a influir na rotina do sono

Publicado

Foto/Imagem:
Mary Manley/Via Sputniknews - Foto de Arquivo

A mudança climática induzida pelo homem está aquecendo o globo a uma velocidade para a qual a humanidade e o mundo natural não estão preparados. O oeste dos Estados Unidos enfrenta uma megaseca e incêndios florestais, enquanto as temperaturas mortais na Índia fizeram com que os pássaros literalmente caíssem do céu.

Diante desse quadro, pesquisadores divulgaram um estudo na revista One Earth que ilustra o impacto negativo do aumento das temperaturas em nossa saúde, como a diminuição do sono.

De acordo com o estudo, se as temperaturas continuarem a subir, cada pessoa em todo o mundo verá seu sono reduzido em 50 a 58 horas por ano até o final do século. Aqueles que são particularmente vulneráveis ​​à perda de sono devido ao aumento do calor são os idosos, as mulheres e os extratos de de baixa renda, em especial os que se encontram nas regiões mais quentes.

Aqueles que não têm acesso a ar condicionado ou outras ferramentas para controlar o aumento da temperatura de sua casa serão os que mais sofrerão, dividindo ainda mais as desigualdades causadas pelas mudanças climáticas em todo o mundo.

“O impacto de mudanças nos padrões climáticos, secas, inundações e tempestades atinge primeiro e pior as comunidades pobres e marginalizadas, causando estações de cultivo imprevisíveis, quebras de safra e aumentos acentuados nos preços dos alimentos”, escreve a organização global Oxfam . “[…] desigualdades de gênero, raciais e econômicas de longa data significam que comunidades historicamente marginalizadas são as mais atingidas e mais impactadas pela crise climática.”

O sono é uma função necessária que afeta a saúde física e mental de uma pessoa. O sono ajuda a apoiar um sistema imunológico saudável, cognição, atenção e humor/comportamento. Mas a falta de sono irá deteriorar a saúde mental e física de uma pessoa causando problemas cardiovasculares, depressão, raiva e pode até resultar em morte precoce.

Problemas de saúde mental ligados à perda de sono incluem psicose de privação de sono, fazendo com que uma pessoa tenha alucinações ou seja propensa a pensamentos delirantes. De acordo com a Administração Nacional de Segurança Rodoviária, focada na educação do motorista, adormecer ao volante está ligado a pelo menos 100.000 acidentes, 71.000 ferimentos e 1.550 mortes a cada ano nos Estados Unidos.

Os pesquisadores descobriram que temperaturas noturnas mais quentes têm um efeito adverso no sono de uma pessoa, afetando negativamente a qualidade do sono. As autoridades conduziram seu estudo rastreando 7 milhões de registros de sono de mais de 47.000 adultos em 68 países. Eles descobriram que aqueles que dormem em temperaturas de 86 graus Fahrenheit perderam 14 minutos de seu horário de sono.

“Para tomar decisões sobre políticas climáticas no futuro, precisamos levar em conta todo o espectro de impactos climáticos plausíveis que se estendem a partir das atuais escolhas sociais de emissões de gases de efeito estufa”, disse Kelton Minor, da Universidade de Copenhague. “Nossos corpos são altamente adaptados para manter uma temperatura corporal estável, algo de que nossas vidas dependem”, frisou.

Publicidade
Publicidade