Curta nossa página


Tiro no pé

Mundo gira e abre a cova para sepultar o ‘Império Global’

Publicado

Autor/Imagem:
Daniel Vaz de Carvalho/Via Pátria Latina - Foto de Arquivo/Alexandre Emochenko - Reuters/ABr

Até meados de 2014, o mundo pertencia aos EUA. As bases e as esquadras navais “americanas” cobriam o globo. Washington ditava as regras pelas quais os países eram divididos em “comunidade internacional” e “Estados párias”. Os seus exércitos ou dos seus vassalos da OTAN, tinham vencido em múltiplos cenários: Iugoslávia, Iraque, Afeganistão, Líbia.

A Rússia era suspeitada, mas o poder dos oligarcas e dos que queriam a todo o custo ser do “ocidente”, eram garantia contra impulsos de insubmissão, caso contrário havia sanções, quintas colunas ditas democráticas ou nacionalistas, etc. Quanto à China, o império estava tranquilo e impante: a convicção era que seguiria uma via idêntica à da Rússia de Ieltsin: capitalista, oligárquica, paraíso de transnacionais, em suma: democrática. Caso contrário: sanções, revoluções coloridas (Hong Kong), nacionalismos (Tibete, iugures).

Em 2014, com uma “revolução colorida” em Kiev, os EUA colocaram aí um seu homem e atingiam a fronteira russa, fazendo no xadrez geopolítico xeque à Rússia. Mas a Rússia tinha peças e sabedoria bastante para não perder o jogo. A Crimeia foi reincorporada na Rússia mediante um referendo (processo que tinha servido para os EUA usurparem o Kosovo à Sérvia e aí instalarem a maior base naval do Mediterrâneo). As regiões do Donbass não aceitaram o golpe anticonstitucional (para a mídia “revolução colorida” pró-democracia) e lutaram derrotando os batalhões “nacionalistas” (forma como os neonazistas ucranianos são qualificados pela mídia).

Os EUA terem perdido o que perspectivavam como seu – a base de Sebastopol, na Crimeia – configurava um crime de lesa majestade. Mais grave iria acontecer em 2015 na Síria, a Rússia atreveu-se a ir defender Bachar-al-Assad, declarado pelo ocidente tirano e vetar uma moção no CS da ONU para a sua destituição, que conduziria a Síria e ele ao destino “democrático” da Líbia e de Kahdafi.

Em 2018, Putin fez um discurso em que, procurando um relacionamento em pé de igualdade com os países do ocidente, referiu-se às novas armas hipersónicas russas. O discurso foi assumido como bravata, propaganda para consumo interno e uma prova do temor que o poder dos EUA/OTAN lhe infundia. Era, contudo, um país rebelde que, embora considerado economicamente desprezável no contexto mundial tinha armas nucleares, era preciso meter na “ordem baseada em regras”. Solução: mais sanções e mais Ucrânia que entraria para a UE e a OTAN, evidentemente com bases EUA de potencial nuclear.

Que a população ucraniana queria relações pacíficas com a Rússia era evidente, caso contrário Zelensky não teria sido eleito. Mas o guião do comediante era uma rábula escrita em Washington e Langley. Os ataques ao Donbas intensificaram-se e no início de 2022, Zelensky reivindicava armas nucleares (a Ucrânia soviética tivera-as). A Rússia interveio de seguida, consagrando a viragem geopolítica que vinha sendo desenhada.

Sobre a guerra propriamente dita não há muito a dizer: a Ucrânia sofre perdas militares devastadoras e não tem uma força de reserva treinada para entrar em ação; não tem nem reservas de equipamentos terrestres (tanques, artilharia, mísseis) nem meios aéreos de combate.

Em 28 de julho, escrevia Scott Ritter: a contraofensiva ucraniana formada em torno de uma força central de cerca de 60 000 soldados ucranianos que receberam treino especial da OTAN e de militares europeus, dispondo de armas e táticas projetadas para derrotar as defesas russas, fracassou. Desde que a contraofensiva começou, em 8 de junho, a Ucrânia perdeu quase metade dessas tropas e um terço do equipamento fornecido – incluindo dezenas dos principais tanques Leopard e veículos de combate de infantaria Bradley, vistos por muitos como tecnologia revolucionária.

O ex-veterano da CIA, Larry Johnson, diz-nos: já em 2018, se podia ver que era improvável que a estratégia dos EUA para lidar com a Rússia fosse bem-sucedida. 1) Os Estados Unidos careciam das fábricas necessárias para uma guerra industrial; 2) Os Estados Unidos careciam de armas avançadas para combater os hipersónicos da Rússia; 3) A aplicação de sanções iria mostrar-se contraproducente. Os EUA deveriam ter uma estratégia alternativa (Plano B), mas nenhum plano parece estar disponível. Os EUA seguiram com o seu Plano A, com o resultado de que não apenas falhou em afundar a Rússia, mas também arruinou qualquer hipótese de um Plano B realista. Os EUA enfrentam agora outro desastre militar na Ucrânia, uma Rússia ressurgente, um ambiente doméstico americano em colapso e um Leste e Sul globais deixando o ocidente para trás. Para piorar a situação, pode-se dizer que não há nenhuma alternativa publicamente a ser considerada que possa funcionar.

Os EUA/OTAN enfrentam, portanto, um dilema – uma situação que não previram de forma alguma – ou fazer concessões à Rússia ou intervir diretamente na Ucrânia, mesmo que seja através da Polónia, Estados Bálticos, Roménia, iniciando uma guerra total entre a OTAN e a Rússia, em que o confronto nuclear se tomaria iminente.

Há ainda a questão do Mar Negro, cuja parte central, leste e norte está controlada pela Rússia, situação que representa uma derrota geoestratégica dos EUA para a sua presença na Ásia Central e pressão sobre a Rússia. Com a sua arrogância e vigarices (acordo sobre os cereais) os EUA/OTAN colocaram-se também aqui na situação de ceder ou enfrentar o poder naval da Rússia e os hipersónicos Kinzhal contra alvos navais, para os quais a OTAN não tem defesa.

A guerra na Ucrânia veio mostrar as fragilidades do ocidente perante a Rússia. As outras nações vêm a superioridade do armamento russo face às “armas maravilha” dos EUA/OTAN e o ridículo de uma propaganda constantemente negada pela realidade. Veem ainda a fragilidade do dólar e as crises económica, financeira e social dos países da UE/OTAN. As bravatas de que a economia russa seria “reduzida a escombros” em resultado das sanções, caíram no descrédito perante o resto do mundo – algo que a mídia teima em não reconhecer.

Pelo contrário, de acordo com dados do Banco Mundial a Rússia passou a estar entre as cinco maiores economias do mundo e a maior da Europa, em termos PPP. A China é a maior economia do mundo, seguida pelos EUA, Índia e Japão. Na Rússia o rendimento individual voltou a crescer e empresas russas substituem as transnacionais. O comércio com países que não seguem as sanções do ocidente aumentou várias vezes. Nas novas regiões russas do Donbass, Kherson e Zaporozhye a reconstrução prossegue. (Ukraine Watch, 16/06) A Alemanha ficou fora das cinco maiores economias do mundo, cedendo perante a Rússia, enquanto a França e o Reino Unido caíram para o 9º e 10º lugar, respetivamente. A Ucrânia, 38ª em 2012, caiu para o 50º lugar.

Os EUA, falharam a guerra econômica e a financeira e estão a perder militarmente na Ucrânia. A “bomba atómica” das sanções contra a Rússia afundou a economia da UE/OTAN. A Rússia desenvolveu sistemas financeiros alternativos e conduziu um consistente programa de substituição de importações. Quanto ao armamento supostamente mais sofisticado da OTAN, é destruído na Ucrânia, levando ao seu descrédito para exportação.

A guerra na Ucrânia evidencia perante o mundo que o “império vai nu”. O ex-embaixador britânico Alastair Crooke escreve: “A Ucrânia serviu como solvente para a velha ordem e tornou-se uma pedra pendurada ao pescoço da Administração Biden: como transformar o iminente desastre da Ucrânia em “missão cumprida”. Isso pode ser feito? Em suma, a “guerra de Biden” não pode continuar como está, mas também não a podem fazer de “outra maneira” sem enfrentar humilhação. O mito do poder americano, da competência da OTAN e a reputação do armamento americano estão em jogo”.

Ásia, África, América Latina, o ocidente confronta-se com a concorrência geopolítica da aliança China-Rússia. Quatro em cinco países da Ásia Central – excetua-se o Turcomenistão – são membros da Organização de Cooperação de Xangai (OCS): Cazaquistão, Usbequistão, Quirguistão e Tajiquistão e podem tornar-se membros do BRICS.

Da Ásia Central à África diplomatas e empresários russos percorrem os países. Os presidentes de todos os cinco países da Ásia Central estiveram na Praça Vermelha no Dia da Vitória em maio. Independentemente de cavilosa propaganda, a Rússia reuniu em Moscou 49 dos 54 países africanos. Em junho, realizou-se em Pequim um Fórum Internacional sobre o tema “Cooperação internacional e governação global de direitos humanos”. Participaram mais de 300 personalidades representando 100 países.

Mas o que poderá ser o xeque-mate ao imperialismo vem da expansão dos BRICS e dos princípios definidos na Cimeira de Joanesburgo. Os BRICS movem-se no sentido da desdolarização, orientando-se para a utilização de moedas locais e sistemas de pagamentos alternativos. O Presidente do Quénia, William Ruto, pede às nações africanas para usarem as moedas locais no comércio intercontinental em vez do dólar.

A Cimeira incumbiu os ministros das Finanças e/ou governadores dos Bancos Centrais, de analisarem questões como as moedas locais, instrumentos de pagamento e plataformas financeiras, apresentando um relatório até a próxima Cimeira. O SWIFT, tornado uma ferramenta de ameaças e chantagem contra qualquer país, deixará de ser um perigo existencial.

Os países dos BRICS procuram, portanto, estabelecer mecanismos para saírem de uma ordem mundial que apenas serve os interesses dos ultraricos do ocidente. É espantoso como a mídia praticamente ignoraram tudo isto, embora 40 países manifestassem interesse em aderir aos BRICS tendo 23 deles apresentado formalmente candidaturas.
Bases militares dos EUA no mundo.

Os EUA estão numa situação precária pelo endividamento e dificuldade em vender Títulos do Tesouro. O movimento de comércio em moedas locais só servirá para aumentar as dificuldades dos EUA quanto ao défice, desempenho econômico e despesas militares.

Antes da expansão os BRICS respondiam por 23% do PIB global, 42% da população mundial e 16% do comércio mundial. Com os novos membros, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Irã, Egito, Etiópia e Argentina, poderão ultrapassar economicamente o G7.

Grave para o imperialismo é o fato de quatro países serem do Oriente Médio. O Golfo Pérsico está agora flanqueado em ambos os lados por membros BRICS, tal como o Canal de Suez. Três dos seis países (Arábia Saudita, Irã e Emirados Árabes Unidos) estão entre os oito maiores produtores de petróleo. Saindo estas vendas do dólar, as consequências equivalem a um tsunami geopolítico. Note-se ainda que a Arábia Saudita já negoceia 3 vezes mais com a China do que com os EUA.

Da Declaração da Cimeira dos BRICS, salientam-se os seguintes pontos: Os líderes dos BRICS apoiam a reforma da ONU para tornar a organização mais democrática e eficaz; apelam a uma maior participação dos países em desenvolvimento nas organizações internacionais; apoiam o uso de moedas nacionais no comércio internacional, bem como entre os países do grupo; os países dos BRICS comprometem-se a fortalecer a cooperação agrícola para aumentar a segurança alimentar; os seus governos prepararão uma lista de potenciais países parceiros para a próxima Cimeira. Os BRICS apoiam totalmente a presidência da Rússia em 2024 na Cimeira de Kazan.

Segundo o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Riabkov, o convite de qualquer país ocidental para o BRICS+ está fora de questão. Também é impossível o Ocidente participar de eventos dos BRICS. O principal critério para aderir à associação é que o país candidato não aplique sanções ilegais contra nenhum dos membros BRICS.

A adesão da Argentina será um teste à capacidade dos BRICS serem alternativa ao FMI para os seus membros. A Argentina está mais uma vez em crise profunda, uma inflação elevada e sem reservas monetárias. Está acorrentada ao FMI, mas tem agora a possibilidade de poder recorrer a fontes alternativas de financiamento BRICS, principalmente a partir da Arábia Saudita e China.

De acordo com um relatório da ONU, os países em desenvolvimento suportam 30% do peso da dívida pública global de 92 bilhões de dólares. Cerca de 52 países – 40% do mundo em desenvolvimento – têm sérios problemas de dívida. A perspectiva dos BRICS entrarem em grande escala na área dos empréstimos multilaterais não passou despercebida por alguns no ocidente, de acordo com a Reuters, Werner Hoyer, o presidente cessante do Banco Europeu de Investimento, alertou os governos ocidentais para o perigo de perder a confiança do “Sul Global”, a menos que intensifiquem urgentemente os seus próprios esforços de apoio aos países mais pobres.

Uma estúpida arrogância pejada de mentiras pelos EUA/OTAN desencadearam um conflito contra a Rússia, que era suposta não ter direito de defender-se ou à população etnicamente russa. Tratou-se da expansão da OTAN, do golpe de 2104 (fuck UE…); dos acordos de Minsk e dos cereais. Propalavam uma vitória certa, a rendição sob “sanções” e derrota militar. Porém, desde o início que apenas colheram uma tempestade perfeita de crises para as quais a solução tem sido continuar a mentir aos seus próprios povos.

Os EUA arrastam também a UE/OTAN para um conflito com a China. Outro desastre em perspectiva. Dizem Bradley Martin e Christopher G. Pernin. diretores da Fundação Rand: “A Força Conjunta dos EUA não pode efetivamente travar uma guerra no Pacífico (…) Como os terríveis gastos de munições e vidas humanas na Ucrânia mostraram, uma guerra com a China teria um consumo ilimitado de reforços, munições e equipamentos, a maioria dos quais teria que ser movida ao longo de 10 000 quilómetros – da Costa Oeste para o Pacífico Ocidental. Uma vez esses elementos logísticos essenciais chegados à área de operações do Comando do Indo-Pacífico, como então atravessariam as enormes distâncias dentro dessa área?”

Sintoma do fim da ilusão do império global, são os desastres que a diplomacia dos EUA acumula: Sullivan, conselheiro de segurança nacional, na Arábia Saudita; Victoria Nuland no Niger; Blinken e J. Yellen (secretária do Tesouro) em Pequim. Mas a sua arrogância torna-os incapazes de avaliar devidamente a realidade, ainda acreditando que são o poder hegemónico com a sua “ordem baseada em regras” quando as suas ações inconsequentes conduzem ao seu fim.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.