Curta nossa página


As tartarugas

ONU alerta que mundo dá passos lentos na questão climática

Publicado

Autor/Imagem:
Mary Manley/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Os cientistas têm registado os efeitos das alterações climáticas causadas pelo homem há décadas. As consequências foram desastrosas tanto para o planeta como para a saúde e o bem-estar da humanidade.

Mas, apesar do histórico Acordo de Paris de 2015, que foi assinado por 196 países, um importante relatório da ONU divulgado na sexta-feira concluiu que os governos ainda não estão conseguindo reduzir as emissões de gases de efeito estufa com rapidez suficiente para cumprir as metas do acordo até 2025 – e isso poderia levar a um desastre climático.

A avaliação incentiva soluções que transformarão e mudarão as piores consequências das alterações climáticas, incluindo: o aumento agressivo das energias renováveis, a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis, o fim da desflorestação, o fornecimento de financiamento climático significativo às nações em desenvolvimento, bem como o alívio da pobreza e a minimização da injustiça ambiental.

O relatório reconhece que a “eliminação progressiva dos combustíveis fósseis” será uma verdade difícil de ser ouvida pelos países produtores de petróleo. No entanto, esta parece ser a primeira vez que a ONU pressiona pela eliminação progressiva dos combustíveis fósseis, uma vez que a linguagem sobre “eliminação progressiva” ou “redução gradual” causou controvérsia nas conversações anuais da ONU sobre o clima.

“Nós acolhemos e concordamos com tal linguagem. Já em diversas ocasiões, a Comissão e os ministros da UE apelaram a uma evolução no sentido de sistemas energéticos livres de combustíveis fósseis inabaláveis. Vemos o impulso para metas globais em matéria de energias renováveis ​​e medidas de eficiência energética como parte do caminho para alcançar isso”, disse um porta-voz da Comissão Europeia.

Apesar dos esforços envidados desde que o acordo foi assinado pela primeira vez, há oito anos, as emissões continuam a aumentar. O objetivo é limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais até 2030. Mas atualmente, existe uma diferença de 20 a 23 gigatoneladas de CO2 entre os cortes necessários até 2030 para limitar a temperatura global. As temperaturas também devem atingir o pico até 2025, o mais tardar, e não mais depois desse ano.

“A esperança não está perdida. Vimos ações críticas tomadas que estão a fazer a diferença”, afirmou Marcene Mitchel, vice-presidente sénior para as alterações climáticas do World Wildlife Fund.

“É claro que não podemos continuar a trabalhar como sempre… Temos de encarar a realidade de que será necessário um trabalho muito desafiante – avanços contínuos na ciência e na tecnologia, forte vontade política e ações de indivíduos, comunidades, empresas e governos se esperamos enfrentar a maior crise global do nosso tempo”, acrescentou.

O relatório de 47 páginas, publicado numa versão preliminar pela ONU, não detalha quais os países que estão para trás. Ani Dasgupta, chefe do World Resources Institute, criticou o relatório por ser vago e “encobrir” a sua mensagem vital.

“A prosa educada da ONU encobre o que é um boletim verdadeiramente contundente para os esforços climáticos globais”, disse Dasgupta.

“Emissões de carbono? Ainda subindo. Compromissos financeiros dos países ricos? Delinquente. Apoio à adaptação? Ficando terrivelmente para trás. Este relatório é um alerta para a injustiça da crise climática e uma oportunidade fundamental para corrigir o rumo”, frisou.

O relatório surge na sequência dos dados divulgados pelo Serviço de Alterações Climáticas Copernicus da União Europeia (C3S). Na quarta-feira , o relatório revelou que o verão de 2023 foi o mais quente já registrado e que ultrapassou por uma grande margem as temperaturas registradas anteriormente.

A próxima cimeira da ONU sobre o clima está marcada para novembro e terá lugar em Dubai.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.