Curta nossa página


Passos perigosos

Otan instala mísseis na Polônia e Moscou manda os seus para Cuba

Publicado

Autor/Imagem:
Antônio Albuquerque - Foto de Arquivo

O mundo caminha a passos largos em direção à III Guerra Mundial. As tensões entre Moscou e Washington indicam que os ponteiros do relógio do apocalipse aumentaram a velocidade. Tudo em função do conflito na Ucrânia, que a Rússia tenta chamar de sua e enfrenta uma resistência firme do Ocidente, encabeçada pela Otan e os Estados Unidos particularmente.

O passo mais perigoso – e que irritou Vladimir Putin – foi a instalação de mísseis na fronteira da Polônia com a Rússia. O Kremlin, em resposta, está mandando navios para Cuba e Venezuela. As cargas são ogivas nucleares. O problema é saber se os americanos vão romper o bloqueio e permitir armas de extermínio em massa em seu próprio quintal.

O quadro é delicado. Desde o início da crise na Ucrânia em 2014, quando os russos tomaram a Criméia, as relações entre Moscou e Kiev vivem constante tensão, alimentando preocupações sobre uma possível reavivamento da Guerra Fria. A anexação da Crimeia pela Rússia e o conflito no leste da Ucrânia entre forças separatistas pró-russas e o exército ucraniano têm sido os principais pontos de atrito.

Conflito na Crimeia
Em 2014, a Rússia anexou a Crimeia, uma ação condenada pela comunidade internacional como uma violação flagrante da soberania ucraniana e das normas internacionais. Apesar das sanções econômicas impostas pelo Ocidente, a Rússia manteve sua posição na península, que é de grande importância estratégica e simbólica.

Leste da Ucrânia
O leste da Ucrânia tornou-se palco de um conflito sangrento entre forças separatistas apoiadas pela Rússia e as forças governamentais ucranianas. Embora os combates tenham diminuído desde 2014, a violência persiste e causou milhares de mortes, deslocamento de civis e danos materiais significativos.

Novas escaladas
Nos últimos meses, observadores internacionais têm expressado crescente preocupação com uma escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia. Incursões militares russas na fronteira ucraniana e movimentos de tropas têm sido interpretados como indicações de uma possível escalada do conflito e a anexação direta do território ucraniano..

Reações internacionais
A comunidade internacional tem condenado veementemente as ações russas na Ucrânia, enquanto expressa apoio à integridade territorial do país. Os Estados Unidos e a União Europeia têm reiterado seu compromisso com a soberania da Ucrânia e ameaçaram impor novas sanções à Rússia caso a situação se deteriore ainda mais. Mas as palavras do Ocidente não incomodam Moscou, que em diferentes oportunidades ouviu manifestações favoráveis da China, Coreia do Norte e Irã.

Perspectivas futuras
Apesar dos esforços diplomáticos para resolver a crise, o impasse entre Rússia e Ucrânia continua a ser uma fonte de instabilidade na região, com consequências para a Europa e o resto do mundo. Com a recente intensificação das atividades militares, há temores de que a situação possa escalar para um conflito em larga escala, reavivando os temores de uma nova Guerra Fria entre o Ocidente e a Rússia.

Na sexta, 7, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, apresentou a seus parceiros do Brics (entre eles o Brasil) a nova realidade de um mundo multipolar, e fez um alerta aos países ocidentais que continuam a atiçar as chamas do conflito na Ucrânia.

Os meios de comunicação ocidentais aproveitaram amplamente a “confiança” que o presidente da Rússia projetou ao discursar numa sessão plenária no Fórum Económico Internacional de São Petersburgo. Também se concentraram nas observações do líder russo relativamente à utilização de armas nucleares, à medida que o Ocidente continua a intensificar o conflito por procuração na Ucrânia.

A BBC, de Londres, publicou uma manchete que dizia “ Putin confiante avisa que a Europa está indefesa”. Para a emissora britânica, trata-se de uma ameaça clara aos países europeus que têm apoiado o regime de Kiev e que a Rússia tem “muito mais [armas nucleares táticas] do que existem no continente europeu, mesmo que os Estados Unidos tragam as suas”.

Já a Agência Reuters destacou a essência da mensagem de Putin, que indicava que a Rússia não precisa usar armas nucleares para vencer a Ucrânia . Este é o “sinal mais forte” do Kremlin de que o conflito “não se transformará numa guerra nuclear “. Nem por isso deixou de lembrar que, pressionado, Putin pode apertar o botão do seu arsenal atômico.

O New York Times também pronunciou as palavras “guerra nuclear” no contexto em que Putin afirmou que os arsenais combinados da Europa e dos EUA “ não seriam páreos para os da Rússia num confronto nuclear”. O jornal americano também aproveitou as observações de Putin de que o cenário para tal “caso excepcional” ainda não havia chegado e que “não existe tal necessidade”.

Algo do tipo fiquem quietos e vocês não morrerão. Joe Biden respondeu anunciando a liberação de mais alguns bilhões de dólares em armas para a Ucrânia. A conclusão é simples. Se faltava algum Cavalheiro do Apocalipse, apareceram logo dois.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.