Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Fatos e versões

Otan usa Ucrânia como cobaia na guerra contra Rússia

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

A Otan está envolvida em uma guerra “por procuração” contra a Rússia na Ucrânia, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova. Ela enfatizou que a aliança vem “fortalecendo a crença do regime de Kiev de que seus crimes de guerra e crueldade contra civis em toda a Ucrânia ficarão impunes”.

“Está ficando mais evidente que, apesar de descartar sua participação direta no conflito, a Otan está praticamente lutando contra a Rússia do lado da Ucrânia e usando o povo da Ucrânia”, disse Zakharova em comunicado publicado no site do ministério.

A porta-voz acrescentou que ao enviar cada vez mais armas para a Ucrânia, aOtan contribui para o prolongamento do conflito. A declaração do Ministério das Relações Exteriores da Rússia também aponta para o fato de que a aliança tem feito vista grossa para os crimes do regime de Kiev.

“Jens Stoltenberg recentemente evitou comentar sobre prisioneiros de guerra russos torturados e mortos por militantes ucranianos. Ele disse que não sabia nada sobre isso. Ou talvez ele simplesmente não queira saber… No entanto, ele falou muito sobre ‘a tragédia em Bucha’ , dizendo que assim que as forças russas deixarem as cidades ucranianas, surgiram ‘valas comuns e novas evidências de atrocidades e crimes de guerra’. Esses são padrões duplos que aparentemente são compartilhados como um valor comum pelo Ocidente”, diz o comunicado do ministério.

No início desta semana, as autoridades ucranianas distribuíram um vídeo supostamente filmado na cidade de Bucha, nos arredores de Kiev, mostrando cadáveres caídos ao longo da estrada. A grande mídia do Ocidente rapidamente compartilhou o vídeo, acusando a Rússia de “crimes de guerra”.

No entanto, muitas pessoas nas redes sociais questionaram a credibilidade das acusações de Kiev contra Moscou, observando que não há sangue no chão perto dos corpos, e também apontando para o fato de que alguns dos mortos tinham braçadeiras brancas nas mangas e poderiam ter sido mortos pelas forças de segurança ucranianas ou pelos chamados militantes da defesa territorial.

Moscou rejeitou veementemente as alegações, descrevendo-as como “outra produção do regime de Kiev para a mídia ocidental”. O embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vassily Nebenzia, chamou a filmagem de falsificação, enfatizando repetidamente que os radicais ucranianos têm abusado regularmente de civis e prisioneiros de guerra russos.

Publicidade
Publicidade