Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Papa compara ações anti-gays a gestos de Hitler

Bartô Granja, Edição

O papa Francisco declarou nesta sexta-feira, 15, que políticos que se enfurecem contra homossexuais, ciganos e judeus o fazem lembrar de Hitler. “Não é coincidência que, às vezes, haja um ressurgimento de símbolos típicos do nazismo”, disse Francisco em um discurso aos participantes de uma conferência internacional sobre direito penal.

“E preciso confessar a vocês que, quando ouço um discurso de alguém responsável pela ordem ou pelo governo, penso nos discursos de Hitler em 1934, 1936”, afirmou ele, saindo de seu discurso preparado.

“Com a perseguição de judeus, ciganos e pessoas com tendências homossexuais, hoje essas ações são típicas (e) representam ‘por excelência’ uma cultura de desperdício e ódio. Foi o que foi feito naqueles dias e hoje está acontecendo novamente.”

Durante o regime nazista de 1933 a 1945 na Alemanha, 6 milhões de judeus foram mortos e homossexuais e ciganos estavam entre os enviados para campos de extermínio.

O papa Francisco não citou nenhum político ou país nominalmente como alvo de suas críticas. No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro fez declarações públicas homofóbicas e sexistas antes de assumir o cargo em 1º de janeiro. Ele disse em uma entrevista que preferia ter um filho morto do que um filho gay.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente