Curta nossa página


Novos espaços

Paulo Octávio leva suas propostas para o comércio

Publicado

Autor/Imagem:
Pretta Abreu , Edição- Foto Divulgação

Em dois eventos realizados para membros de entidades ligadas ao comércio, Paulo Octávio, candidato pelo PSD ao governo do Distrito Federal, reafirmou seu compromisso de melhorar o ambiente de negócios, para que este fundamental segmento da economia possa gerar mais postos de trabalho. Nesta quarta-feira (14), ele participou da sabatina da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-DF), realizada no auditório do Sesc, na 504 Sul. Na noite de terça-feira (13), PO se reuniu com a diretoria da Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF), no Setor Comercial Sul.

Na Fecomércio-DF, Paulo Octávio respondeu a perguntas sobre temas relacionados ao setor, feitas pelo jornalista Estevão Damazio. Ele prometeu uma revisão da Lei de Uso e Ocupação do Solo do Distrito Federal (LUOS) nos seis primeiros meses de mandato. “Nós temos de criar mais Áreas de Desenvolvimento Econômico, para aliviar as vias e o Plano Piloto. Elas devem ser implantadas nas cidades, para gerar postos de trabalho perto das pessoas e infraestrutura e segurança para todos. O nosso governo vai se concentrar nos polos, pois temos condições e espaço para isso”, avaliou. “Nosso plano de metas busca 100 mil empregos, e 90 mil delas serão do comércio”, completou.

Na questão da economia criativa, uma de suas pautas será a regulamentação das feiras do DF. “Visitei todas as 38 feiras nesses últimos meses. A primeira coisa que temos de fazer é ocupar os boxes que estão vazios. As feiras são importantes, pois geram empregos e são polos culturais”, completou. Ele também pensa em oferecer vantagens para atrair empresas que estimulem geração de vagas. “Aqui é a terra das oportunidades. Quero viajar o Brasil e buscar estas empresas, pois temos toda uma condição logística e capacidade de gerar empregos fantásticas”, relatou.

Paulo Octávio falou das propostas de desenvolvimento nas áreas tombadas. “Temos que alinhar a cidade. Muitas áreas estão vazias e, como defensor da história de Brasília, entendo que o Plano Piloto tem que ser muito bem avaliado. As pessoas estão morando longe. A W3 está virando um comércio fantasma. Temos que resolver essas questões pontuais, conversar com comerciantes e moradores e preservar a estrutura da cidade. Qualquer coisa que atrapalhe e aumente a densidade no centro da cidade, deve ser olhada com cuidado”, disse.

Por fim, o candidato do PSD defendeu uma convocação nacional para estimular o turismo cívico, que geraria mais empregos e arrecadação para os cofres públicos. “Já tive como objetivo trazer a Olimpíada de 2000 para Brasília, e fui criticado. Viajei muito e percebi que Brasília não é conhecida no exterior. Mas temos vocação para trazer grandes eventos. Além disso, farei uma campanha cívica, para que Brasília se torne atrativa. É impossível que os colégios do Brasil não tenham programas para que os jovens conheçam e entendam o funcionamento da capital e dos poderes”, acrescentou.

Na véspera, o candidato ao GDF se reuniu com a diretoria da Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF), no Setor Comercial Sul. O evento foi comandado por Fernando Brites, presidente da entidade, e contou com as presenças na plateia de candidatos a deputados federais e distritais, como Paula Belmonte, André Kubitscheck e Deborah Carvalhido.

Paulo Octávio falou sobre ações para resolver a situação do Setor Comercial Sul. “O diálogo é fundamental no dia a dia e na vida das pessoas. Resgatar uma capital quem tem 300 mil desempregados é um grande desafio, pois a cidade está crescendo e desordenadamente”, disse. “Aqui no Setor Comercial Sul, temos o problema dos dependentes químicos e no meu governo vamos solucionar isso. Contem comigo para revigorar este lugar que é um patrimônio de Brasília”, ressaltou.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.