Curta nossa página


Ou vice-versa

Pombos têm muito em comum com Inteligência Artificial

Publicado

Autor/Imagem:
Chimauchen Nwesu/Via Sputniknews - Foto Divulgação

Os pombos revelaram-se “Einsteins” emplumados depois de demonstrarem a sua capacidade de realizar diversas tarefas visuais. Tais descobertas sugerem algoritmos eficientes da natureza e podem fornecer insights aplicáveis ​​para a compreensão de lesões cerebrais. É o que indicam novas pesquisas, sugerindo que as capacidades de resolução de problemas dos pombos estão alinhadas com as da inteligência artificial.

Apesar de serem frequentemente considerados meras pragas, os pombos possuem uma inteligência notável, ostentando capacidades para reconhecer indivíduos, perceber tons vibrantes, traçar caminhos intrincados, transmitir mensagens e até desempenhar um papel em feitos que salvam vidas.

Num estudo envolvendo 24 pombos, os pássaros foram apresentados a diversas tarefas visuais. Eles aprenderam algumas tarefas em poucos dias e outras em semanas. Os pesquisadores descobriram que os pombos usam um mecanismo para tomar decisões precisas que se assemelham àquele que os modelos de IA usam para fazer previsões corretas.

Edward Wasserman, coautor do estudo e professor de psicologia experimental na Universidade de Iowa, sugeriu que o comportamento dos pombos indica que a natureza pode ter desenvolvido um algoritmo eficaz para dominar tarefas desafiadoras. Ele observou que, embora possa não ser o mais rápido, é consistentemente eficaz.

Em um display digital, os pombos observaram elementos visuais variados, incluindo linhas de diferentes espessuras, alinhamentos e desenhos, além de círculos segmentados e em camadas. Os pássaros poderiam então tocar em um botão de cada lado para categorizar esses recursos visuais. As escolhas corretas lhes renderam uma bolinha de comida, enquanto as respostas incorretas não foram recompensadas.

Brandon Turner, principal autor do estudo e professor de psicologia na Ohio State University, sugeriu que os pombos não funcionam com base em uma regra específica. Ele explicou que eles aprendem por tentativa e erro. Ele deu um exemplo, observando que quando os pássaros eram apresentados a um visual específico rotulado como “categoria A”, eles classificavam qualquer coisa que se parecesse com ele na mesma categoria, mostrando seu talento para reconhecer semelhanças.

Ao longo dos testes, os pombos melhoraram a sua precisão na tomada de decisões, passando de 55% para 95% em tarefas básicas. No entanto, quando confrontados com tarefas complexas, a sua precisão aumentou de 55% para 68%.

“Usando animais mais humildes, como os pombos, podemos testar até onde eles podem ir com uma mente que é [pensamos] única ou principalmente associativa… Isso mostra como os sistemas associativos podem ser incrivelmente fortes, como eles são verdadeiros semelhantes à cognição”, reconheceu Onur Gunturkun, professor de neurociência comportamental na Ruhr University Bochum, que fez parte da equipe de pesquisa.

Embora os sistemas de IA sejam concebidos para identificar padrões e fazer escolhas informadas, os pombos, como revelam os estudos, têm uma capacidade para isso. Os pombos também demonstram uma habilidade incrível em reconhecer semelhanças entre itens distintos.

A equipe de pesquisa está agora interessada em fazer parceria com especialistas em estudos do cérebro de pombos. Sua aspiração é que tais colaborações esclareçam insights relacionados a lesões cerebrais humanas.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.