Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Linha dura

Putin declara lei marcial em territórios tomados da Ucrânia

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tsukanov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto sobre a introdução de um estado de lei marcial em Kherson, Zaporozhye, na República Popular de Donetsk e na República Popular de Lugansk. O anúncio foi feito em uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia nesta quarta-feira, 19. Esses territórios viraram ‘terra russa’ ocupadas durante a atual guerra de Moscou contra Kiev.

“As leis constitucionais sobre a admissão de quatro novas regiões na Federação Russa entraram em vigor. O regime de Kiev, como você sabe, se recusou a reconhecer a vontade e a escolha do povo e rejeitou quaisquer propostas de negociações. pelo contrário, os bombardeios continuam. Pessoas inocentes estão morrendo”, disse Putin em entrevista. “Os neonazistas estão usando métodos abertamente terroristas, sabotando infraestruturas críticas, assassinando representantes de autoridades locais”, acrescentou.

Putin também instruiu o governo a criar um “conselho de coordenação especial” para coordenar os esforços para melhorar a segurança, com o conselho a ser chefiado pelo primeiro-ministro Mikhail Mishustin.

O presidente também introduziu um “regime de alerta máximo” em áreas do Distrito Federal do Sul da Rússia, incluindo Crimeia, Krasnodar, Belgorod, Bryansk, Voronezh, Kursk e Rostov. As autoridades regionais são instruídas a exercer sua autoridade conforme necessário para implementar medidas destinadas a garantir a preparação para a defesa territorial e civil, a proteção da população em situações de emergência e atender às necessidades das Forças Armadas Russas e outras formações militares.

As regiões também têm a tarefa de fortalecer a ordem e a segurança públicas, incluindo a proteção de instalações militares e estatais, infraestrutura vital, transporte, comunicações, instalações de energia e locais sensíveis que representam riscos crescentes para a vida e a segurança das pessoas e do meio ambiente (energia nuclear, por exemplo).

As medidas também podem incluir restrições ao movimento do tráfego de veículos e sua fiscalização, e a intensificação dos controles sobre transporte, comunicações, gráficas, informática e sistema automatizado, e seu uso para necessidades de defesa, conforme necessário. Além disso, quaisquer residentes temporariamente evacuados de áreas perigosas devem receber alojamento temporário.

A reunião do Conselho de Segurança de quarta-feira e a introdução da lei marcial e dos ‘regimes de alerta máximo’ em áreas da Rússia na fronteira com a Ucrânia ocorre após o briefing do general Surovikin, no qual ele descreveu a situação em toda a frente como “tensa”, e que ao longo de Kharkov o quadro é “muito difícil”, pois as forças ucranianas continuam tentando fazer avanços.

Dizendo que os militares russos foram informados dos planos de Kiev de usar meios proibidos de guerra em Kherson, incluindo ataques indiscriminados de mísseis e foguetes contra a cidade e um ataque de mísseis em massa na barragem de Khakovskaya, Surovikin alertou que tais ações causariam grandes baixas entre os militares russos. população civil e destruição material generalizada.

O governador interino da região de Kherson, Vladimir Saldo, alertou que a destruição das eclusas da usina hidrelétrica de Kakhovskaya faria com que os níveis de água subissem um metro, causando inundações em massa. A instalação já foi alvo de um ataque HIMARS ucraniano, de acordo com os militares russos.

Kherson, Zaporozhye e as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk se juntaram à Rússia no início deste mês, após referendos realizados no final de setembro, nos quais a grande maioria dos moradores votou a favor de suas regiões se tornarem parte da Federação Russa. Autoridades ocidentais consideraram os referendos uma “farsa”, acusaram a Rússia de “anexar” os territórios e prometeram aumentar o apoio militar à Ucrânia.

Publicidade
Publicidade