Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Ocidente que se dane

Putin deixa de ser cachorro com rabo nas patas e encara Biden

Publicado

Foto/Imagem:
Mainella Mondai/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Putin tomou a decisão. A paciência acabou de todo. Só mais um pouco e a Rússia está sob o fogo direto dos loucos ocidentais. “Não temos para onde recuar”, disse Putin recentemente. Agora encurralado, não lhe resta nem um centímetro para se retirar. A intenção deles é destruir a Rússia. É tão claro como o dia. Após três rodadas de negociações, o cheiro da pólvora está cada vez mais forte no ar. As conversações entraram num beco sem saída, ninguém, nem a Otan, nem os EUA, nem a Rússia, quer ceder. A situação é crítica porque quando os diplomatas não conseguem pôr-se de acordo, isso significa que os tanques vão avançar.

O contato dos diplomatas russos com os diplomatas americanos e europeus teve lugar por vontade e ordens de Putin, como Lavrov deixou claro, não porque Putin esteja convencido de que o diálogo conduzirá a qualquer resultado, mas porque primeiro é necessário começar com a tentativa de regulamentação política, ou seja, com o diálogo, explicando diplomaticamente às partes como estão as coisas. A honra do chefe de Estado requer, antes de mais, o método diplomático, mesmo que as probabilidades sejam escassas. Os diplomatas russos revelaram que durante hora e meia tiveram de explicar e reexplicar a posição da Rússia. Em suma, a situação atual já não é tolerável e aceitável, é urgente que seja alterada, ou diplomaticamente, ou serão forçados a recorrer a outros métodos, desde o técnico até ao militar.

A Rússia não revela mais. Putin havia dito que depende das propostas que recebe dos militares russos, a Rússia não explica o que fará em caso de recusa, também para não criar a ideia errada de que a Rússia está ameaçando. A Rússia não é ameaçadora, simplesmente tomou consciência da inaceitabilidade da situação e do perigo iminente, pelo que propõe conversações pacíficas para chegar a acordos, propõe “todo um pacote de acordos e não um menu de escolhas”.

Caso contrário, tomará as suas medidas defensivas, empregando métodos enérgicos. Por isso é sempre melhor concordar mais cedo do que mais tarde. Mas qual é a reação do Ocidente? O Ocidente tem medo. Tem medo e tenta esquivar-se ao golpe, ou seja, evitar negociações. Toda a epopeia ucraniana dos últimos dias foi totalmente inventada para tentar mudar o foco das conversações para o problema da Ucrânia, livrando-se assim das reivindicações russas e escapando aos acordos sobre a Ucrânia. O Ocidente não compreende a seriedade das intenções da Rússia.

Isto explica a pressa louca dos últimos dias em lançar contra a Rússia uma miríade de acusações, ameaças e outras sanções de todo o tipo, pelas quais vários políticos e órgãos de imprensa nos EUA tomaram a palavra. Washington parece estar seriamente convencido de que a Rússia está a atacar a Ucrânia, e há três dias os democratas delinearam ao Congresso um pacote de sanções, ainda por finalizar, que incluem até sanções “pessoais” contra Putin e o ministro da Defesa Shoigu, e “só por precaução” também contra os seus “bens estrangeiros”.

A CNN e o NYT informaram que “os EUA estão na posse de informações e dados sobre a preparação de Moscou de “provocações sob uma bandeira estrangeira”, em palavras concretas – operações secretas, no leste da Ucrânia. “A Rússia está fabricando um motivo de invasão”, disse o Conselheiro de Segurança do Presidente dos EUA, Jack Sullivan. O Kremlin respondeu prontamente: “estas são palavras vazias, não provadas por fatos”. Poder-se-ia comentar que evidentemente só o Ocidente está autorizado a inventar razões falsas para invadir outros países.

Victoria Nuland, famosa por liderar o golpe em Kiev em 2014, conhecida pela sua astúcia na divulgação de mentiras (ela também participou ativamente na divulgação do falso dossiê contra Trump) contou a existência de 18 cenários de sanções contra a Rússia, preparadas pelos EUA, no caso da Rússia atacar a Ucrânia. Nuland salientou que não pretende revelar os detalhes destes 18 cenários, “simplesmente”, salientou enfaticamente, “nós e os nossos aliados estamos preparados para dar à Rússia uma dor muito forte, e também muito rapidamente se a Rússia atacar a Ucrânia sob qualquer forma”.

Depois, porém, teve de admitir numa entrevista ao Financial Times que sobre o provável ataque russo à Ucrânia “não há provas concretas, mas tudo é possível, dada a forma como a Rússia se comporta em todo o mundo”. E isto seria conversa séria de alguém que ocupa a presidência da vice-secretária de Estado norte-americana?

A Rússia está bem ciente do fato de que os EUA destruíram o sistema de segurança europeu e está agora tentando destruir a instituição ONU, impondo as suas próprias regras ao mundo. A Rússia exige que a sua segurança seja respeitada e a segurança de toda a Europa salvaguardada, pois os criminosos arriscam-se a trazer a guerra para a Europa.

Os dois documentos apresentados pela Rússia, um aos Estados Unidos e o outro à Otan, preveem a exclusão do alargamento da Aliança Atlântica a leste, a cessação da atividade militar nas antigas repúblicas da União Soviética, a rejeição da colocação de outros armamentos na Europa, a remoção de todo o armamento nuclear americano da Europa, e garantem tudo isto por escrito. Na prática, a Otan deve fazer as malas e regressar à sua demarcação de 1997, ou seja, não deve instalar mais exércitos e armas na Europa do que havia até 27 de maio de 1997; não deve posicionar mísseis terrestres de médio e curto alcance em regiões a partir das quais é possível atacar o outro lado; não deve realizar exercícios em grande escala na zona fronteiriça acordada.

Os EUA e a Otan devem recusar-se a conduzir atividades militares na Ucrânia e noutros países da Europa Oriental, do Cáucaso e da Ásia Central. O Kremlin insiste em acabar com a cooperação militar da Otan com os antigos países soviéticos e em proibir a instalação de bases nos seus territórios, a fim de excluir todos os Estados da Europa Oriental do bloco. Não incluir a Ucrânia e a Geórgia na Otan é o principal – “isto nunca, nunca deve acontecer”, repetiu o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Ryabkov, com uma voz firme. Além disso, a Rússia propõe-se aperfeiçoar o mecanismo para prevenir acidentes no Mar Báltico e no Mar Negro.

Agora o mundo pergunta-se se, em caso de impossibilidade de acordo, a Rússia não tenciona animar os Estados Unidos com o seu armamento, levando mísseis para Cuba e Venezuela, ou começar a fazer o mesmo que os americanos têm feito ao longo dos anos com a Rússia, cercando-a.

Entretanto, o tempo está passando e a Rússia quer uma resposta “compreensível”, escrita e juridicamente vinculativa dos EUA e da Otan no prazo de uma semana.

Como disse o porta-voz de Putin, Dmitrij Peskov, o nível de tensão na fronteira com a Ucrânia é excessivamente elevado, a segurança da Rússia está em jogo, é urgente que cheguemos a um acordo. Lembro-me que durante a recente conferência de imprensa de Putin, em tons nunca antes ouvidos, o presidente russo respondeu ao jornalista de um jornal ocidental: “É o Ocidente que nos deve dar garantias de segurança, não nós! Tem de nos dar agora e imediatamente!

Na Rússia, eles compreendem bem que a Ucrânia poderia envolver-se em provocações armadas nas duas repúblicas de Donbass para desencadear a reação da Rússia, por outras palavras, os EUA estão pressionando a Ucrânia a travar uma guerra contra a Rússia. Como é que a estão a empurrar? Através de mentiras, mentiras sem vergonha, que até a imprensa italiana está espalhando na Itália, segundo as quais os soldados de Putin já estão presentes no Donbass para levar a cabo atos de sabotagem.

Uma campanha jornalística de demonização e desinformação, na qual a Rússia é retratada como o monstro que está prestes a invadir e atacar a Ucrânia. Estas são as tecnologias que sempre foram utilizadas pelos americanos para virar a realidade de pernas para o ar – a Rússia, que há muito tempo tenta chegar a um acordo com os americanos para proteger a Europa de uma possível guerra – é apresentada ao contrário, pois o país quer “dominar os seus vizinhos” e atacar a Ucrânia. As mentiras que mudam o mundo. Recordemos bem alguns dos precedentes: por exemplo, como a guerra no Vietnã começou – com os americanos bombardeando os seus próprios aviões; também nos lembremos bem do famoso tubo de farinha de Colin Powel para atacar o Iraque…

Mas a Rússia nunca teve qualquer intenção de fazer guerra contra a Ucrânia. Putin sempre disse, é “uma loucura” matar os próprios irmãos, basta dizer que nestes oito anos de guerra no Donbass, apesar de tudo Putin nunca enviou tanques contra os ucranianos.

Enquanto o Ocidente participa ativamente na guerra no Donbass, a prova é que existem centenas de instrutores americanos, britânicos e outros instrutores militares na Ucrânia. Há anos que a recheiam com vários armamentos, que são depois utilizados no Donbass para matar. Esta é outra linha vermelha para Moscou. A Rússia já não aceita a política de “porta aberta”, apesar de a Otan não desistir. Outra linha vermelha é a construção de duas bases militares na Ucrânia pela Grã-Bretanha, que concluiu acordos militares com o irresponsável governo ucraniano, sempre pronto a se vender ao Ocidente.

Os EUA e a Otan, tentando evitar lidar com o problema da segurança da Rússia, também se depararam com outro: “no caso de um agravamento da guerra em Donbass, a Otan está pronta a incluir mais dois Estados, a Finlândia e a Suécia, que satisfazem os requisitos da Aliança Atlântica”. Se se candidatarem à adesão, a Otan aceitá-los-á imediatamente, sem quaisquer problemas”, disse o antigo secretário-geral da Otan Anders Fogh Rasmussen.

Em Moscou, o senador Aleksej Puskov reagiu salientando que a posição oficial destes dois países não reflete de modo algum a sua intenção de aderir à Otan. Por outras palavras, o jogo jogado pelos EUA e pela Otan, que estão conscientes do fato de que a Rússia exige que retirem bases militares mesmo da Polónia e da Roménia, é chantagem – e nós respondemos colocando bases em dois outros países como a Suécia e a Finlândia, será que isso não está bem? Então ficamos como estávamos e não corre o risco de ter mais dois países com mísseis apontados para si. Esta é basicamente a essência dos movimentos dos EUA.

Mas a Rússia não tem a intenção de se comprometer e agirá com firmeza. A Rússia está cansada – “eles estão fartos”, disse Putin a certa altura durante o encontro com os militares, “eles (os ocidentais) têm-nos enganado desde os anos 90, só nos mentiram e nos enganaram”. Sombrio no rosto, tons e palavras duras, um Putin que nunca vi assim.

“A Rússia arreia os cavalos durante muito tempo, mas depois quando eles partem, vão depressa” – diz o provérbio russo e o ministro dos Negócios Estrangeiros Lavrov mencionou-o, acrescentando: “agora é tempo de ir”.

Resta a esperança ditada pelo fato de hoje no establishment americano haver algumas pessoas com senso comum, que perceberam que não podem evitar o diálogo com a Rússia e encontrar fórmulas de compromisso, porque os americanos só podem aprovar aquelas ações que não podem evitar, porque perceberam que a Rússia terá o que quer e estão também conscientes de que não podem entrar em guerra com a Rússia. Eles não estão à altura.

Trinta anos se passaram desde o fim da Guerra Fria. A queda do Muro de Berlim, o fim da divisão Leste-Oeste na Europa e a queda da União Soviética haviam gerado grandes esperanças, de uma nova ordem política e um sistema de segurança numa comunidade euro-atlântica unida e livre. A Rússia, os Estados Unidos e os países europeus deveriam tornar-se parte desta comunidade, unidos por valores comuns, e infelizmente isto não foi conseguido.
Há trinta anos – desde a desintegração da União Soviética – que a Rússia tolera e encaixa, observa, tolera, sofre e encaixa. Agora para o Ocidente chegou a hora de acertar as contas.

Publicidade
Publicidade