Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


País em chamas

Queima do Alcorão aumenta risco terrorista na Suécia

Publicado

Foto/Imagem:
Igor Husnetsov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Após a queima do Alcorão pelo político anti-islâmico dinamarquês-sueco Rasmus Paludan e seus seguidores, que provocou tumultos na Páscoa em várias cidades suecas, o Centro Nacional de Avaliação de Ameaças Terroristas (NCT) alertou que eventos desse tipo podem exacerbar a ameaça terrorista contra o país escandinavo.

“Vimos antes que as violações percebidas atuaram como força motriz, estimulando a intenção de realizar ataques terroristas”, disse a chefe do NCT, Ethel Limén , à emissora nacional SVT.

Até agora, a ameaça terrorista contra a Suécia permanece no nível três na escala de cinco pontos, de acordo com a avaliação anual do NCT. Isso significa que um ato terrorista é considerado provável.

No entanto, existem fatores adicionais a serem considerados, de acordo com o NCT. Por exemplo, o fato de a Suécia estar associada a eventos vistos como insultantes aos muçulmanos – ou ao Islã em geral – pode aumentar a ameaça de um ataque.

A notícia da queima do Alcorão no fim de semana da Páscoa se espalhou pelo mundo, levando à condenação de vários países árabes, desde a Arábia Saudita e Egito ao Iraque, que até convocou um conselho da embaixada sueca em Bagdá para alertar que a queima do Alcorão poderia ter graves consequências para a relação da Suécia com o mundo muçulmano.

O NCT não comenta eventos individuais porque sua principal tarefa é fazer avaliações estratégicas. Mas, em geral, as autoridades já notaram que os insultos percebidos inspiraram movimentos violentos.

“Também quero deixar claro que a Suécia ainda é um alvo legítimo para organizações terroristas com uma ideologia islâmica pró-violência, embora não prioritária ou designada”, acrescentou Limén.

O NCT também observou uma ameaça crescente de extremistas de direita, citando “uma polarização contínua e possivelmente crescente” em questões como imigração e crime.

A recente onda de tumultos muçulmanos que atingiu várias cidades suecas durante a Páscoa, com incêndios criminosos e lançamento de pedras, deixou 26 policiais feridos e pelo menos 40 pessoas detidas, incluindo menores. O dano total foi estimado em milhões de coroas.

As autoridades suecas condenaram posteriormente tanto o líder da linha dura Rasmus Paludan, que também foi denunciado à polícia por “incitação contra um grupo étnico”, apesar de ter permissão das autoridades para realizar seu evento, e o uso abundante de violência pela multidão enfurecida. Paludan prometeu mais manifestações envolvendo a queima do Alcorão, chamando-as de “turnê eleitoral” antes da próxima votação.

Na esteira dos distúrbios da Páscoa, uma petição para designar a queima do Alcorão como crime de ódio foi lançada, recebendo mais de 35.000 assinaturas.

De acordo com o advogado e professor da Universidade de Örebro, Joakim Nergelius, criminalizar a queima do Alcorão na prática reintroduziria leis de blasfêmia, que foram usadas para processar, entre outros, o escritor August Strindberg em 1884. A Suécia revogou sua lei sobre paz religiosa, sucessora da lei da blasfêmia, em 1970, como barreira à liberdade de expressão.

Publicidade
Publicidade