Curta nossa página


Grito da minoria

Racismo na Europa se aprofunda há mais de três séculos

Publicado

Autor/Imagem:
Mohsen Khalif/Via Pátria Latina - Foto Reprodução

A falta de respeito e os confrontos violentos que atingem imigrantes e não brancos residentes na Europa ou nos Estados Unidos, que em muitos casos se transformam em racismo, causam distúrbios internos nesses países para essa minoria, que não é mais uma minoria.

Para alcançar a igualdade de direitos e tentar erradicar as ideias de racismo. Para entender melhor essa questão, é preciso voltar um pouco no tempo e conhecer melhor as causas da formação dessa visão de superioridade racial. As raízes do racismo anglo-saxão e europeu ou branco são muito profundas, e os conceitos religiosos, filosóficos e morais têm sido os principais alicerces de sua formação.

Então, a solução para esse problema não é tão simples, principalmente porque os fanáticos racistas estão tentando manter seus padrões em diferentes áreas da ética, cultura, etc.

A formação de estereótipos racistas na Europa é amplamente baseada no desejo de autoaperfeiçoamento dos europeus com base em suas definições de beleza e critérios estéticos, que foram formados no século XVIII. Um problema que persiste até hoje.

Talvez uma questão importante a ser abordada seja o estereótipo mental e a classificação racial como um problema profundo e arraigado.

Nos séculos 18 e 19, naturalistas e pesquisadores das ciências naturais incluíram seus critérios não ambientais e teorias mentais no espectro de classificação da raça humana.

A ONU exige que a França acabe com o “racismo e a discriminação racial” entre sua polícia após o assassinato de um adolescente nas mãos de agentes franceses.

Por exemplo, o naturalista sueco Carl Vand Lein usou o julgamento mental não científico como um fator em sua classificação racial e considerou a raça branca inovadora, legal, ordeira e baseada em regras. Em contraste, os negros tinham todas as qualidades negativas que os tornavam ferramentas adequadas para a raça superior, sendo vistos como preguiçosos, enganadores e incapazes de governar a si mesmos.

Aqui prevalece sua fanática visão social sobre a visão científica, questão que começou no século XVI e continuou depois dele; ou seja, a superioridade da aparência não científica e critérios estéticos baseados na opinião pessoal ou baseados no ambiente de vida, que se tornaram fatores na determinação da superioridade dos humanos.

De fato, a beleza era um conceito racial cuja definição e exemplos incluíam a comunidade branca, e esse conceito de beleza indicava o ideal de moderação e ordem. A beleza era sinônimo de um mundo de classe média pacífico, feliz e saudável, sem convulsões violentas, um mundo alcançável apenas por europeus brancos.

Ninguém pode afirmar que os negros têm rostos que refletem o ideal estético grego. Com o tempo, essa visão se tornou um estereótipo, e a comunidade branca se considerava a raça superior.

Os protestos e a violência gerados após o assassinato de Nahel, um jovem de 17 anos, pela polícia francesa, criaram uma crise política e econômica para o presidente Emmanuel Macron.

Portanto, o século XVIII foi o início da formação do racismo moderno. Um século em que a pseudociência tomou o lugar da ciência e os verdadeiros cientistas foram substituídos por pseudocientistas com visões racistas.
Muitos cientistas da época contemporânea (séculos XVIII e XIX), sem nenhuma razão científica, colocaram estátuas e imagens ou escritos gregos como padrão de estética.

Essa abordagem leva à formação da superioridade humana baseada em sua aparência, aparência européia e olhos azuis!, tema que ainda hoje os defensores do racismo anglo-saxão buscam preservar. Na verdade, uma mudança nesses padrões pode destruir completamente a grande estrutura de sua superioridade racial e criar novos padrões e indicadores dos quais você não gosta muito.

É por isso que eles estão tentando provar a superioridade, com base na raça e na imagem, porque há um obstáculo científico e critérios científicos para eles, que obviamente são extraídos da pseudociência. Se esses padrões se tornarem virtudes humanas, a supremacia branca provavelmente se desfará e eles não serão mais superiores, então eles procuram incutir o estereótipo de que os não-brancos e os imigrantes são primitivos, pouco inteligentes e indignos de viver no paraíso da Europa.

Este tema é especialmente consistente com o tratamento provocativo dos imigrantes para irritá-los em alguns casos. Com a ajuda da mídia e das ferramentas, muitas vezes tentam induzir esse problema, como visto na mídia, mesmo após os protestos na França, quando tentaram focar na segurança em vez de condenar o racismo e apontar que os imigrantes ameaçam a segurança da Europa.

Essas medidas, que são realizadas por meio da incitação de grupos de imigrantes, parecem ser organizadas e o resultado é uma pressão crescente sobre os governos para controlar a onda de imigração. Dessa forma, é possível manter a ideia de supremacia branca e mostrar que são superiores e que as ações dos não brancos são condenáveis ​​e repugnantes.

Portanto, pode-se dizer que o racismo é uma categoria internalizada na Europa, que pode ser acompanhada pela mídia na primeira onda, mas depois se desvia, assim como aconteceu na França ou em outros países semelhantes em outras partes da Europa. Portanto, resolver esse problema profundo requer tempo, apoio de intelectuais e cientistas e vontade política, para que, talvez no futuro, critérios como cor dos olhos e ângulo da mandíbula sejam atualizados por princípios mais valiosos.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.