Curta nossa página


Três variantes

Ratos infectados com Covid se espalham por Nova York

Publicado

Autor/Imagem:
Svetiana Ekimenko/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Os ratos da cidade de Nova York foram infectados com as variantes Alpha, Delta e Omicron do SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19 , segundo um estudo realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Missouri. O Monitoramento adicional da população de 8 milhões de roedores da Big Apple está sendo solicitado, já que a descoberta gerou especulações de que os ratos poderiam causar a propagação da doença respiratória novamente.

Os ratos são comuns em toda a cidade de Nova York, correndo em seus esgotos, metrôs, parques e prédios abandonados. A equipe de cientistas analisou ratos noruegueses (Rattus norvegicus), também chamados de ratos “marrons”, capturados em vários locais próximos aos esgotos da cidade durante três meses de 2021 para “procurar evidências de infecção por SARS-CoV-2”, disse Tom DeLiberto, coordenador do SARS-CoV-2 no USDA APHIS Wildlife Services.

Após estudos virológicos e sequenciamento genômico, eles descobriram que 13 dos 79 ratos (16,5 por cento) testaram positivo para o vírus. Isso pode ser extrapolado para potencialmente 1,3 milhão dos estimados 8 milhões de ratos da cidade de Nova York, de acordo com as descobertas da publicação revisada por pares apresentada no ‘mBio’, um jornal da Sociedade Americana de Microbiologia.

“Até onde sabemos, este é um dos primeiros estudos a mostrar que as variantes do SARS-CoV-2 podem causar infecções nas populações de ratos selvagens em uma grande área urbana dos EUA”, disse Henry Wan, investigador principal do estudo.

Os pesquisadores também realizaram um estudo de desafio de vírus, que mostrou que as variantes Alpha, Delta e Omicron – encontradas em humanos durante a pandemia – são capazes de causar infecções em ratos, enquanto sofrem mutações para se adaptar a um novo hospedeiro.

“Nossas descobertas destacam a necessidade de monitoramento adicional do SARS-CoV-2 em populações de ratos para potencial transmissão zoonótica secundária para humanos. No geral, nosso trabalho neste espaço mostra que os animais podem desempenhar um papel nas pandemias que afetam os seres humanos, e é importante que continuemos a aumentar nossa compreensão para que possamos proteger a saúde humana e animal”, disse Wan, professor e diretor do Center for Influenza e Doenças Infecciosas Emergentes na Universidade de Missouri.

O fato de os animais serem suscetíveis ao vírus que causa a COVID-19 não é novidade. No início da pandemia em 2020, cerca de 17 milhões de visons foram abatidos preventivamente na Dinamarca ao serem descobertos infectados com uma nova cepa. E em Hong Kong no ano passado, 2.000 hamsters importados tiveram destino semelhante. Em agosto de 2022, um rastreador global foi lançado, fazendo uso do Programa de Monitoramento de Doenças Emergentes e do Sistema Mundial de Informação de Saúde Animal, revelando que todos os tipos de espécies animais pegaram COVID-19, incluindo martas, hamsters, gatos e cachorros.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.