Curta nossa página


Cidade infeliz

Rio vive a rotina do caos do purgatório de janeiro a janeiro

Publicado

Autor/Imagem:
Armando Cardoso* - Foto Reprodução TV Globo

Como carioca de berço e de coração, não tenho por hábito falar ou escrever sobre as mazelas do Rio de Janeiro. Tentar explicá-las, nem pensar. Falidos econômica, política e socialmente, o Estado e a cidade do Rio sofrem o pior de seus tempos. A sistêmica má administração, a roubalheira e o assalto executado por políticos, empresários e categorias organizadas, entre elas a Polícia, o tráfico e, agora, as milícias quebraram de vez o que estava de pé. E fizeram o serviço com tal eficiência que vai ser muito difícil qualquer proposta de recuperação. Desde 1975, com a fusão entre o Estado do Rio e a Guanabara, a decadência se instalou de mala e cuia na cidade que já foi capital do Brasil colônia, do Brasil Império e Distrito Federal do Brasil República.

A partir dos anos 90, quando todos os governadores e presidentes da Assembleia Legislativa estão ou estiveram presos, o Rio se desmilinguiu como estado e como cidade, servindo hoje, em boa parte de sua extensão, como quartel general da milícia ou como reduto intransponível do tráfico. No meio dessa trágica cultura de arrendamento dos morros e das comunidades, vive o povo trabalhador que não consegue descobrir, entre outras coisas, a quem recorrer quando chove e quando acaba o gás, a luz, a água. É a mexicanização do Rio. Históricas, as razões da falência carioca e fluminense talvez tenham tomado vulto em 1960, com a transferência da capital para o Planalto Central.

Pode ser. O que é inconcebível é a eterna culpabilidade de Juscelino Kubitschek e do preço do barril do petróleo nos anos 70 pela sequência de gestões pífias e comprometidas com a bandidagem. De Leonel Brizola a Cláudio Castro, atual governador, o que mudou além da troca de denominação das favelas, hoje comunidades? Nada, a não ser o conluio deslavado, explícito e inaceitável entre boa parte das polícias e o tráfico. E tudo isso passa batido ou tem a participação da máfia de gravata. Carioca e ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Silvinei Vasques e seu então chefe, Jair Bolsonaro, são acusados de numerosas irregularidades na corporação, sempre a partir do Rio de Janeiro. Querem pior?

A análise de um governo ou governante é aquela que nunca é feita. Perdido em suas claudicantes palavras, o governador Cláudio Castro é um desses que, a exemplo de seu esvaziado e inelegível líder, parece cachimbo em boca de bêbado. Não sabe o que faz, o que diz, muito menos porque o colocaram no Palácio Guanabara, sede do governo fluminense. O fato é que o meu Rio acabou. Em recente passagem pela cidade fundada por Estácio de Sá em março de 1565, pude constatar que o estágio falimentar do antigo Estado da Guanabara não é apenas político, econômico e social. Também está beirando o caos interpessoal e moral. Além da saudade maravilhosa, restou ao carioca raiz a vizinha Niterói, a eterna melhor vista do Rio de Janeiro.

Procurei desembestadamente, mas nem os negros lindos da Rua do Ouvidor consegui encontrar. A Confeitaria Colombo, recinto que, mesmo nascido na cidade, só conhecia de fotos, hoje vive rodeada de camelôs e, à noite, sofre a concorrência de mendigos e moças apegadas à profissão da saliência. Está lá a Confeitaria Colombo, à Rua Gonçalves Dias, 34, mas falta o higt society do século passado. As donzelas restantes e as madames afamadas agora só frequentam o ex-glamouroso local de tênis e sandália rasteirinha. Nem pensar um salto no piso de paralelepípedo ou pedras portuguesas. O problema para as senhoras e senhoritas é que faltam as pedras e muitos dos paralelepípedos. É o retrato do abandono do centro do Rio. Arrastões, tiroteios em praças públicas e ônibus incendiados não são mais uma visão do capeta. É a infeliz rotina do carioca.

Atualmente, a cidade é formada em parte por pessoas que matam ou mandam matar. As demais se satisfazem lendo a notícia dos assassinatos. “É o Rio 40 graus, cidade maravilha, purgatório da beleza e do caos”. Embora ache que a vida entre o mar e montanha seja uma peça de teatro que não permite ensaios, continuo achando que a felicidade é uma passagem para o Rio de Janeiro. Uma pena que, para os governantes e políticos silenciosos diante da violência esmagadora, se bem-produzido e maquiado tudo fica bonito. O meu Rio de Janeiro é um exemplo disso. Como diz o pensador Ricardo Absalão Soares, apesar da alegria, do maneirismo, dos sambistas e pagodeiros, o que de mais expressivo se revela é o caos instalado no Rio de Janeiro a janeiro. Parafraseando Millôr Fernandes, o pior do Rio de hoje não é morrer. É não poder espantar as moscas do poder.

*Presidente do Conselho Editorial de Notibras

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.