Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mísseis voando pela Europa

Rússia ameaça quem armar Ucrânia com armas pesadas

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

A Rússia tem o maior arsenal nuclear do mundo. Estima-se que algo em torno em torno de 6 mil ogivas, ou seja, de 1 mil 600 a 1. 800 mísseis a mais do que os Estados Unidos. E é supostamente com esse poder de dissuasão de inimigos, que seu Ministério da Defesa mandou um aviso ao Ocidente. O recado foi dirigido diretamente a Londres, mas não apenas o Reino Unido, como todos os países membros da Otan, estariam, desde já, sob a mira das armas russas. O motivo da advertência: quem abastecer a Ucrânia com armas, terá uma resposta proporcional.

Não ficou claro se os mísseis russos atingirão armas do Ocidente enviadas a Kiev, ou se as nações que apoiam a Ucrânia com armamentos pesados também seriam alvos de ataque. Coincidência ou não, Andrei Lavrov, chanceler do governo de Vladimir Putin, revelou, poucas horas antes, que o mundo está a um passo da Terceira Guerra Mundial.

O que se sabe oficialmente é que o Ministério da Defesa russo tomou nota dos comentários o ministro das Forças Armadas do Reino Unido, James Heappey. Segundo ele, Londres consideraria ataques ucranianos a locais de logística em solo russo usando armas britânicas. Foi aí que veio a resposta: se armas britânicas forem disparadas da Ucrânia e atingirem a Rússia, isso seria visto como provocação direta de Londres, recendo, consequentemente, uma receberá uma resposta proporcional.

“Gostaríamos de enfatizar que a provocação direta de Londres ao regime de Kiev para tais ações, caso sejam implementadas, levará a uma resposta imediata e proporcional da Rússia”, disse o Ministério da Defesa russo. “Como alertamos, as Forças Armadas russas estão de prontidão 24 horas por dia para lançar ataques de retaliação guiados com precisão de longo alcance contra os centros de tomada de decisão relevantes em Kiev e seus supostos apoiadores”, enfatizou o ministério.

O Ministério da Defesa alertou que os conselheiros militares ocidentais conhecidos por estarem presentes nesses locais “não serão necessariamente um problema na tomada de decisões da Rússia sobre ações de retaliação”. Só par não perder o fio da meada: no início do dia, o comandante das Forças Armadas do Reino Unido, James Hippeay, disse que Londres consideraria “aceitável” que armas fornecidas pelos britânicos fossem usadas pela Ucrânia para realizar ataques em território russo.

“A questão é se isso é aceitável para que nossos sistemas de armas sejam usados ​​contra alvos militares russos legítimos pelos ucranianos. Em primeiro lugar, são os ucranianos que tomam a decisão de direcionamento, não as pessoas que fabricam ou exportam. Portanto, é totalmente legítimo perseguir alvos militares nas profundezas de seu oponente para interromper sua logística e linhas de suprimentos”, disse Hippeay.

O Reino Unido enviou centenas de milhões de libras em equipamentos militares avançados para a Ucrânia nos últimos meses, incluindo milhares de mísseis antitanque. No início deste mês, Londres anunciou que enviaria 120 porta-tropas blindados Mastiff e canhões leves rebocados de 105 mm. Mas há uem prefira acalmar os ânimos. Na segunda-feira, o secretário de Defesa, Ben Wallace, rejeitou relatos de que a Grã-Bretanha enviaria à Ucrânia obuses autopropulsados ​​de 155 mm AS90 e dezenas de milhares de projéteis.

“Primeiro e acima de tudo, começamos com o fornecimento em todo o mundo de armas de calibre soviético de 152 mm para que a Ucrânia possa continuar com isso e, paralelamente, explorar com várias outras nações 105 mm, nossos principais canhões leves, e o 155 mm em mais móveis, além de versões do grande blindado AS90”, disse Wallace aos legisladores.

Até agora, o Reino Unido, os EUA, o Canadá e a França aprovaram planos para enviar armas pesadas para a Ucrânia, com a Alemanha, aliada da Otan, pressionada a participar do esforço de fornecer artilharia pesada a Kiev. O bloco ocidental injetou gradualmente bilhões de dólares em equipamentos militares na Ucrânia ao longo dos anos a partir de 2014, depois que um golpe apoiado pelos EUA e pela UE derrubou o governo eleito do país. Enquanto o governo Obama limitou as entregas a ajuda “não letal”, o governo Trump aumentou gradualmente os suprimentos para incluir mísseis antitanque e antiaéreos Javelin e Stinger e outras armas.

Nesta terça, 26, o Reino Unido anunciou que forneceria a Kiev mísseis antitanque NLAW. No entanto, as forças da milícia russa e do Donbass encontraram documentos e certificados de treinamento indicando que os militares do Reino Unido instruíram os ucranianos sobre o uso dessas armas desde pelo menos a partir de 2018.

Os militares russos fizeram o possível para procurar e destruir grandes estoques de armamento ocidental entregues a Kiev por meio de ataques aéreos e de mísseis de precisão em depósitos, entroncamentos ferroviários e instalações militares de reparo. Ao mesmo tempo, diplomatas russos alertaram que os esforços para resolver a crise na Ucrânia por meio de negociações dificilmente terão sucesso se Kiev continuar a ser abastecida com armamento pelo Ocidente.

Publicidade
Publicidade