Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Olho por olho, dente por dente

Rússia cita Lei de Talião e pode acionar armas nucleares contra Ucrânia

Publicado

Foto/Imagem:
Evgeny Mikaylov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

As tropas de Kiev têm visado a infraestrutura civil nos últimos meses, o que levou a várias mortes em Donbass e na região de Kherson. Em resposta, e para mostrar que Moscou não está brincando de fazer guerra, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, as tropas devem aumentar sua atividade para impedir os ataques de Kiev contra a população civil.

“O chefe do Ministério da Defesa russo deu instruções para impulsionar ainda mais as ações dos grupos em todas as áreas operacionais, a fim de excluir a possibilidade de o regime de Kiev lançar ataques maciços de foguetes e artilharia visando infraestrutura civil e moradores de Donbass e outras regiões,”, afirmou Shoigu.

A expectativa é a de que, sob ordens diretas do presidente Vladimir Putin, a Rússia coloque em prática a Lei de Talião, segundo a qual é ‘olho por olho, dente por dente’. O ministro da Defesa tem em mãos relatórios do general do Exército Sergei Surovikin, comandante do grupo Sul, do coronel general Alexander Lapin, comandante do grupo do centro, e outros oficiais, indicando que as forças ucranianas bombardearam a cidade de Novaya Kahovka, na região de Kherson, com dezenas de foguetes.

A resposta russa pode vir por meio de armas táticas nucleares. Nesse sentido, submarinos nucleares começaram a cercar toda a região marítima da Ucrânia. A uma ordem de Moscou – o que pode acontecer a qualquer momento – o botão será acionado. Não são ogivas capazes de destruir toda a Ucrânia, mas áreas pontuais, como demonstração de  força.

Enquanto as defesas aéreas conseguiram interceptar a maioria deles, o ataque custou três vidas e feriu pelo menos 38 pssoas. As autoridades observaram que lançadores de foguetes múltiplos HIMARS fabricados nos Estados Unidos foram usados ​​para o ataque, e os dados também sugerem que um satélite dos EUA fotografou os dias do assentamento antes do bombardeio.

Ao mesmo tempo, relata a mídia russa, o bombardeio constante do Donbass por tropas de Kiev matou pelo menos 249 civis e deixou mais 1 mil 200 feridos.

Moscou lançou a operação militar especial na Ucrânia em 24 de fevereiro, depois que Kiev intensificou os ataques contra as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, provocando a evacuação em massa de civis. As forças russas e as milícias Donbass conseguiram libertar o último território remanescente da LPR no início de julho e agora estão pressionando os militares ucranianos da DPR.

No entanto, as forças ucranianas em retirada estão bombardeando Donetsk, bem como a cidade de Gorlovka e outras comunidades de Donbass.

Publicidade
Publicidade