Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Preço vai subir

Rússia elogia decisão da Opep de reduzir produção de petróleo

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tsukanov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Na semana passada, o grupo de influentes países produtores de petróleo concordou em cortar a produção de petróleo em dois milhões de barris por dia (bpd), minando a diplomacia do governo Biden nas nações do Golfo, que visa aumentar a produção em meio a uma crise global de energia desencadeada pelo governo anti-russo mediante ações políticas dos EUA e seus aliados.

A “posição responsável” adotada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus principais parceiros não membros para reduzir a produção de petróleo serve para equilibrar o “caos” nos mercados globais de energia desencadeado pelos Estados Unidos, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

“Claro, o fato de que o presidente [russo] foi capaz de estabelecer relações mutuamente respeitosas [com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos] que são baseadas no benefício mútuo, com base na confiança mútua – isso, obviamente, ajuda a discutir os detalhes mais críticos. Não estou inclinado a dizer que isso é algum tipo de vitória de nossa parte. É uma vitória do bom senso”, disse Peskov em entrevista à televisão russa neste domingo, 9.

O porta-voz presidencial pontuou que é bom que tal “trabalho equilibrado, ponderado e planejado por países que assumem uma posição responsável dentro da Opep resista às ações dos EUA” seja possível, já que “isso pelo menos equilibra o caos causado pelos americanos”.

A Opep+ concordou em cortar a produção de petróleo em dois milhões de bpd na quarta-feira após uma reunião ministerial em Viena, com os cortes previstos para entrar em vigor em novembro. A medida foi tomada em meio à crescente incerteza nos mercados globais de petróleo, causada em parte pelos esforços ocidentais para limitar a compra e venda de energia russa e introduzir um “limite de preço” no petróleo bruto russo. Autoridades russas alertaram repetidamente que qualquer tentativa de “limitar” o preço do petróleo russo pode levar à interrupção das exportações. A Rússia responde por aproximadamente 10% do mercado global de petróleo bruto.

“Os EUA começaram a literalmente perder seu autocontrole… Sua principal tarefa é levar adiante as decisões [que visam a energia russa] parcialmente adotadas pela União Europeia em seu último pacote de sanções, mesmo ao custo de desestabilizar a economia global. mercado de energia”, disse Peskov.

A Casa Branca expressou “decepção” com o corte de produção da OPEP +, prometendo despejar mais 10 milhões de barris da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA no mercado, enquanto alguns legisladores ameaçavam retirar os sistemas de armas, tropas e empreiteiros dos EUA da Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos em retaliação.
O secretário de Estado Antony Blinken disse que Washington consideraria “várias opções de resposta” contra Riad sobre os cortes, enquanto a secretária de imprensa de Biden, Karine Jean-Pierre, acusou a Opep+ de “alinhar-se com a Rússia”.

O senador democrata Chris Murphy encorajou Washington a iniciar uma “reavaliação por atacado” da aliança dos EUA com Riad, enquanto o congressista democrata Tom Malinowski acusou os estados do Golfo de tentarem afundar a economia dos EUA e “ajudar” os inimigos de Washington.

Autoridades sauditas e da Opep+ ignoraram as preocupações de Washington, garantindo que os cortes acordados foram projetados para estabilizar os mercados de energia. Em meio a relatos de que os Estados Unidos podem suspender suas sanções ao petróleo venezuelano para lidar com uma possível escassez, republicanos seniores, incluindo o ex-presidente Donald Trump, pediram ao governo federal que incentive o aumento da produção doméstica de petróleo em vez de dar a volta ao mundo “implorando a todos por petróleo”.

Comentando sobre os planos do governo Biden de consumir ainda mais o SPR, Peskov sugeriu que “tal jogo não levará a nada de bom” para Washington a longo prazo.

Os 13 estados membros da Opep incluem Argélia, Angola, República do Congo, Guiné Equatorial, Gabão, Irã, Iraque, Kuwait, Líbia, Nigéria, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Venezuela, com os sauditas servindo como líder de fato do bloco. A OPEP+ inclui os principais produtores de petróleo não membros que concordam com acordos de fornecimento e outros acordos destinados a manter os preços e suprimentos globais do petróleo estáveis. Seus membros incluem Azerbaijão, Bahrein, Brunei, Cazaquistão, Malásia, México, Omã, Filipinas, Rússia, Sudão e Sudão do Sul.

Publicidade
Publicidade