Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Vale tudo

Rússia passa a mirar armas que EUA e Otan mandam à Ucrânia

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, disse que qualquer veículo da Otan que chegue à Ucrânia com armas ou equipamentos para as forças ucranianas. será considerado um alvo legítimo para destruição.

“Os Estados Unidos e seus aliados da Otan continuam a entregar armas na Ucrânia. Posso confirmar que qualquer transporte da Aliança do Atlântico Norte que chegue ao país com armas ou material para as forças armadas ucranianas será considerado por nós como um alvo legítimo para destruição”, advertiu Shoigu.

Segundo ele, durante a operação especial de Moscou contra Kiev, os militares russos “demonstraram coragem e bravura, cumprindo honrosamente seu dever militar e garantindo a segurança da população civil de Donbass”.

Mais cedo, Moscou alertou que a contribuição de armas do Ocidente para a Ucrânia ameaça minar as negociações de paz, sem mencionar a probabilidade de que elas caiam em mãos erradas.

Desde que a Rússia lançou sua operação militar especial na Ucrânia em fevereiro, os EUA, seus aliados da Otan e a União Europia aumentaram o fornecimento de armas para a Ucrânia.

Na terça, 3, o governo do Reino Unido anunciou que fornecerá à Ucrânia um pacote de ajuda militar de US$ 375 milhões. Antes, o presidente dos EUA, Joe Biden, pediu ao Congresso US$ 33 bilhões em financiamento suplementar de emergência para apoiar a Ucrânia, incluindo US$ 20 bilhões para assistência militar.

O pedido se soma a cerca de US$ 4 bilhões em ajuda militar que o governo Biden já destinou à Ucrânia, US$ 3,4 bilhões dos quais vieram depois que a Rússia lançou sua operação militar no final de fevereiro.

Em meio às entregas de armas e equipamentos militares, discute-se a necessidade de abastecer a Ucrânia com armas pesadas, tanques, aviões de guerra, etc. Embora alguns países, como o Reino Unido, solicitem esse tipo de suprimento, outros se opõem à ideia.

Mais cedo, o chanceler alemão Olaf Scholz disse que os militares alemães não podem mais fornecer armas para a Ucrânia, pois os estoques de armas do país estão praticamente esgotados.

Por sua vez, o apoio público às entregas de armas pesadas alemãs para a Ucrânia diminuiu para 46%, de 55% há duas semanas e 60% no início de abril, com o número de críticos aumentando 10 pontos percentuais.

Em 28 de abril, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a tendência de entregar armas pesadas à Ucrânia por outros países está ameaçando a segurança do continente europeu.

Publicidade
Publicidade