Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Quem avisa...

Rússia vai expandir guerra se Finlândia e Suécia virarem Otan

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tsukanov/Via Sputniknews - Foto Divulgação

A Rússia foi curta e grossa nesta sexta, 13, em meio às notícias de que a Finlândia e a Suécia estão prestes a entrar de mala e cuia na Aliança do Tratado o Atlético Norte. Moscou viu esse gesto como provocação e ameaça ao seu território, uma vez que os dois países, que sempre se posicionaram neutros em conflitos mundiais, agora podem socorrer ainda mais a Ucrânia. No caso específico dos finlandeses, os russos levam em conta a extensa fronteira territorial (mais de mil quilômetros) entre os dois países.

As negociações sugerem que essa adesão à Otan será até meados de junho. O  presidente finlandês Sauli Niinisto e a primeira-ministra Sanna Marin emitiram uma declaração conjunta de que apoiam a adesão de Helsinque ao bloco ocidental. Mas, para Moscou, o ingresso dos dois países na Aliança certamente” constituiria uma ameaça à segurança da Rússia. Diante esse quaro, o Kremlin advrtiu para as graves consequências esse ato, revelou Dmitry Peskov, porta-voz de Vladimir Putin.

“A mais recente expansão da Otan não tornará nosso continente mais estável e seguro”, disse Peskov. “Se você se lembra, há uma instrução ativa do presidente [russo] e comandante-chefe para desenvolver uma lista de medidas para fortalecer nossos flancos ocidentais em conexão com o fortalecimento do flanco leste da Otan. A Otan está se movendo em nossa direção. Portanto, é claro, tudo isso se tornará um elemento para uma análise especial e o desenvolvimento das medidas necessárias para equilibrar a situação e garantir nossa segurança”, observou Peskov.

“Tudo vai depender de como o processo de expansão se manifestará no futuro, até que ponto a infraestrutura militar se aproximará das nossas fronteiras”, sublinhou o porta-voz presidencial. Solicitado a comentar se o bloco ocidental pode tentar usar a crise da Ucrânia como pretexto para incorporar ainda mais países que fazem fronteira com a Rússia, Peskov indicou que “uma ampla gama de opções está sempre sendo considerada e analisada”.

No início do dia, o presidente e o primeiro-ministro da Finlândia emitiram uma declaração conjunta dizendo que Helsinque “deveria se inscrever sem demora para ingressar na Otan”, e que a adesão ao bloco ocidental sem dúvida “fortaleceria” a segurança da nação nórdica.

A Suécia também deve se juntar à aliança, com relatórios sugerindo que Estocolmo pode solicitar formalmente a adesão já em 16 de maio. Os dois países começaram a discutir a possibilidade de abandonar sua neutralidade de longa data no início deste ano, após a decisão da Rússia de lançar uma operação militar na Ucrânia para ajudar seus aliados do Donbass.

O chefe da Otan, Jens Stoltenberg, recebeu os dois países de braços abertos em março, prometendo que a aliança fará tudo para garantir que eles sejam incorporados rapidamente. A Finlândia foi um dos poucos países da Europa que conseguiu desfrutar de neutralidade ao longo da segunda metade do século 20 e relações políticas e econômicas amigáveis ​​com os blocos ocidental e oriental durante a Guerra Fria.

A Suécia manteve a neutralidade do bloco por ainda mais tempo, não participando de nenhuma guerra em grande escala desde 1814. No século 20, o país era um dos poucos países europeus que conseguiram ficar de fora da Primeira e da Segunda Guerras Mundiais . Durante a Guerra Fria, Estocolmo manteve formalmente uma política de estrita neutralidade, embora desde então tenha sido revelado que suas forças provavelmente teriam participado de um conflito Leste versus Oeste do lado da Otan.

A Finlândia e a Suécia aderiram ao programa “Parceria para a Paz” da Otan em 1994. Ambos os países enviaram tropas para o Afeganistão para apoiar a ocupação do país pela “Resolute Support Mission” liderada pela Otan. Forças de ambos os países também foram destacadas na força de paz liderada pela Otan na região separatista sérvia de Kosovo. As duas nações também participaram de vários exercícios navais e aéreos com a Otan a partir da década de 1990.

Suécia e Rússia não compartilham uma fronteira terrestre. No entanto, os dois países estão a cerca de 250 km de distância um do outro através do Mar Báltico e da Lapônia finlandesa. Já A Finlândia e a Rússia compartilham uma fronteira terrestre de 1.340 km – uma das mais longas da Europa.

No mês passado, o vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev, alertou que a entrada dos dois países na Otan forçaria Moscou a “reforçar seriamente” suas forças terrestres, aéreas e navais na região, e “mais do que dobrar” a fronteira terrestre existente  entre a Rússia e o bloco ocidental.

A Otan tem se expandido constantemente para o leste por décadas, apesar das promessas ao líder soviético Mikhail Gorbachev em 1990 e 1991 de não ultrapassar as fronteiras da Alemanha reunificada após a anexação da República Democrática Alemã pela República Federal em outubro de 1990. Todos os membros da antiga aliança do Pacto de Varsóvia , mais três repúblicas da ex-União Soviética e quatro repúblicas da ex-Iugoslávia, foram incorporadas ao bloco entre 1999 e 2020.

Publicidade
Publicidade