Curta nossa página


Milagre da natureza

Sequoias surpreendem ao brotar mil anos após incêndios florestais

Publicado

Autor/Imagem:
Egor Shapovalov/Via Sputniknews - Foto Divulgação

As majestosas sequoias, conhecidas pela sua resistência aos incêndios florestais, enfrentaram uma ameaça sem precedentes quando as chamas atingiram as copas destas árvores de 100 metros de altura durante os incêndios florestais de 2020 na Califórnia.

Apesar dos receios de que a maioria das sequoias perecessem devido a incêndios intensos, um estudo recente revelou que estes gigantes imponentes exploraram reservas de energia que datam de centenas de anos, permitindo-lhes brotar e desafiar a compreensão existente sobre a sobrevivência das árvores.

O ecofisiologista Drew Peltier e a sua equipe da Northern Arizona University descobriram que, contrariamente às expectativas, as sequoias sobreviventes mobilizaram reservas de energia de longa data, utilizando açúcares produzidos a partir da luz solar. Estas reservas foram canalizadas para botões que estiveram adormecidos durante séculos sob a casca.

Adrian Rocha, ecologista de ecossistemas da Universidade de Notre Dame, elogiou as descobertas, afirmando que elas desafiam o conhecimento anterior sobre o crescimento das árvores. “É incrível saber que o carbono absorvido há décadas pode ser usado para sustentar o seu crescimento no futuro”, afirmou.

Embora o estudo sugira que as sequoias possuem ferramentas para lidar com incêndios catastróficos ligados às alterações climáticas, permanecem incertezas sobre a sua capacidade de resistir a infernos recorrentes num clima mais quente.

Mesmo que as sequoias normalmente resistam aos incêndios devido à sua casca espessa e aos ramos elevados, o incêndio de 2020 revelou-se suficientemente grave para queimar até os ramos mais superiores, perturbando a sua fotossíntese.

A datação por radiocarbono revelou que os açúcares que sustentam os rebentos tinham, em média, 21 anos – as reservas de energia mais antigas documentadas nas árvores. Peltier explicou que as sequoias utilizavam carboidratos fotossintetizados há quase seis décadas, destacando sua resiliência ao fogo.

Além disso, os brotos surgiram de botões que se formaram há séculos, alguns remontando a até mil anos, o que os torna os mais antigos documentados em registros científicos.

Mesmo que as sequoias tenham mostrado uma recuperação notável, permanecem dúvidas sobre a sua capacidade de lidar com a energia reduzida da fotossíntese nos próximos anos. A preocupação é agravada pela ameaça potencial de um segundo incêndio catastrófico e se as árvores antigas esgotaram as suas reservas de emergência.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.