Curta nossa página


Eles estão lá em cima

Sinais ‘cintilantes’ de rádio ajudam a buscar vida alienígena

Publicado

Autor/Imagem:
Svetiana Ekimenko/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Desde que a humanidade embarcou na busca por sinais de vida alienígena, presumiu-se que se o homem usasse rádios para se comunicar, os “alienígenas” poderiam fazer o mesmo. Isto desencadeou a investigação de sinais de rádio de aparência não natural provenientes de pontos fixos distantes no espaço, com vários projetos ativos durante anos analisando tais sinais.

Espera-se que uma nova técnica concebida por cientistas ofereça um avanço na busca por ET’s na Via Láctea. A abordagem inovadora é adaptada para filtrar sinais que podem, potencialmente, ser enviados por inteligência extraterrestre , de várias outras interferências de rádio terrestres ou por satélite.

A inovação que ajuda a buscar a verdadeira ‘assinatura tecnológica’ alienígena foi desenvolvida por pesquisadores do projeto Breakthrough Listen, da Universidade da Califórnia-Berkeley.

O Breakthrough Listen teve origem em janeiro de 2016, com seu programa de ciências baseado no Berkeley SETI Research Center do Departamento de Astronomia da Universidade da Califórnia. O projeto usa observações de ondas de rádio do Telescópio Robert C. Byrd Green Bank, situado na National Radio Quiet Zone, na Virgínia Ocidental, e do observatório de radioastronomia Parkes, na Austrália, bem como observações de luz visível do Automated Planet Finder. Embora várias detecções tenham sido feitas, nenhuma foi confirmada.

Desde que os projetos pioneiros começaram há anos, lançados por organizações como o Instituto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) e Breakthrough Listen, eles têm confiado em radiotelescópios baseados na Terra nos seus esforços. No entanto, todos os tipos de “interferência” desencadearam os chamados “alarmes falsos”.

A técnica recentemente desenvolvida verifica evidências de que o sinal de rádio realmente passou pelo espaço interestelar. É esta abordagem que, presumivelmente, permitirá descartar a possibilidade de o sinal ser apenas interferência de rádio proveniente de um “fundo desordenado”.

Os cientistas descobriram que à medida que os sinais passam pelo meio interestelar (ISM) eles “cintilam”. Esse efeito, denominado pelos pesquisadores como uma espécie de “cintilação”, se deve à interferência do plasma frio.

Conseqüentemente, um algoritmo de computador foi desenvolvido por Bryan Brzycki, um estudante de graduação da UC Berkeley, para analisar esses padrões de cintilação de sinais de banda estreita. A equipe acredita que se um sinal passar pelo ISM, poderá, efetivamente, ser identificado como um sinal de particular interesse.

“Isto implica que poderíamos usar um gasoduto adequadamente sintonizado para identificar inequivocamente emissões artificiais de fontes distantes em relação à interferência terrestre. Além disso, mesmo que não utilizássemos esta técnica para encontrar um sinal, esta técnica poderia, em certos casos, confirme um sinal originado de uma fonte distante, e não localmente.

Este trabalho representa o primeiro novo método de confirmação de sinal além do filtro de reobservação espacial na história do rádio SETI”, disse Imke de Pater, professor emérito de astronomia da UC Berkeley.

No entanto, a técnica é eficaz apenas no caso de sinais provenientes de mais de 10.000 anos-luz, observaram os investigadores. Isto é explicado pelo fato de que, para exibir cintilação suficiente, é imperativo que os sinais passem por ISM suficiente.

No entanto, o investigador principal do projeto Breakthrough Listen, Andrew Siemion, diretor do Berkeley SETI Research Center, elogiou a técnica inovadora como “um dos maiores avanços no rádio SETI em muito tempo”.

“É a primeira vez que temos uma técnica que, se tivermos apenas um sinal, poderia nos permitir diferenciá-lo intrinsecamente da interferência de radiofrequência. Ter esta nova técnica e a instrumentação capaz de registrar dados com fidelidade suficiente para que você possa ver o efeito do meio interestelar é incrivelmente poderoso”, disse Andrew Siemion.

Ele acrescentou que a partir de agora, o Breakthrough Listen contará com a técnica de “cintilação” em conjunto com outros métodos durante as suas observações SETI.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.