Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Batendo o martelo

Suécia cede à Turquia e muda lei antiterror para entrar na Otan

Publicado

Foto/Imagem:
Igor Kusnetov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Há apenas uma semana, o primeiro-ministro sueco, Ulf Kristersson, prometeu que seu país dará “grandes passos” que darão “mais força para combater o terrorismo”. Especialistas enfatizaram que a nova legislação tornaria mais fácil processar membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e outras organizações na lista negra de Ancara.

O parlamento da Suécia forçou a aprovação de uma emenda constitucional que tornará possível a aprovação de leis antiterroristas mais rígidas, exigidas pela Turquia para aprovar a candidatura de Estocolmo para ingressar na Otan.

A emenda, aprovada por esmagadora maioria – com a oposição apenas do Partido de Esquerda – permite introduzir novas leis para “limitar a liberdade de associação quando se trata de organizações que praticam ou apoiam o terrorismo”.

De acordo com a própria comissão constitucional permanente do parlamento, que recomendou que os deputados aprovassem a proposta, ela permitirá “uma criminalização mais ampla da participação em uma organização terrorista ou uma proibição contra a organização terrorista”.

Durante sua recente ofensiva de charme em Ancara na semana passada, que muitos especialistas perceberam como uma tentativa de diminuir a distância entre Estocolmo e a capital turca, o novo primeiro-ministro da Suécia, Ulf Kristersson, descreveu a emenda constitucional como um grande passo.

Em uma coletiva de imprensa conjunta com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, Kristersson prometeu que a Suécia dará “grandes passos” até o final do ano e no próximo ano as autoridades legais do país terão “mais força para combater o terrorismo”.

As mudanças entrarão em vigor em 1º de janeiro. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse que a aliança militar está pronta para aproveitar um momento histórico e agir rapidamente para permitir que a Finlândia e a Suécia se juntem às suas fileiras, depois que os dois países enviaram seus pedidos de adesão.

Meses após o início do conflito ucraniano, a Suécia e a Finlândia abandonaram sua política de não-alinhamento de longa data e se candidataram à OTAN, alegando que a situação de segurança havia mudado. No entanto, a Turquia bloqueou a tentativa de ambas as nações de ingressar na aliança militar, acusando Estocolmo em particular de ser um “paraíso para terroristas”. Especialistas já enfatizaram que a nova legislação tornaria mais fácil processar membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), na lista negra de Ancara e da maioria de seus aliados ocidentais.

Em uma tentativa de apaziguar Ancara, a Suécia e a Finlândia no início deste ano já suspenderam a proibição de exportação de armas para a Turquia que haviam introduzido devido ao envolvimento de Ancara na Síria contra as milícias curdas. O novo governo sueco também se distanciou do YPG e do PYD — organizações curdas que a Suécia havia apoiado anteriormente. Mais significativamente, o ministro das Relações Exteriores da Suécia, Tobias Billström, disse que as duas organizações eram “duvidosas” e seus laços com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) eram “muito próximos” – comentários que foram elogiados por Ancara.

A candidatura dos dois países nórdicos à OTAN marcou a conclusão de décadas de não-alinhamento formal, que nos últimos anos existia apenas no nome, à medida que a Suécia e a Finlândia se aproximavam da aliança liderada pelos EUA por meio de exercícios conjuntos, operações no exterior e armas vigorosas de cooperação.

Publicidade
Publicidade