Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Coreias em colisão

Tensões crescem com ameaça de Seul de rasgar tratado de paz

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tsukanov/Via Sputniknews - Foto de Arquivo

As tensões na Península Coreana aumentaram dramaticamente nas últimas duas semanas, com a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) realizando mais de meia dúzia de testes de mísseis balísticos em resposta a uma série de exercícios militares em larga escala entre a Coreia do Sul, os EUA e o Japão.

Enquanto isso, o gabinete do presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol e legisladores do partido Poder Popular do país alertaram que Seul pode romper o acordo militar intercoreano de 2018 se Pyongyang prosseguir com os testes de armas nucleares.

“Se o acordo 9.19 for descartado, o espaço aéreo de nossa linha de frente militar para aeronaves tripuladas e não tripuladas, bem como a gama de áreas de treinamento ao longo de ambas as costas, será expandido. Isso reforçará as capacidades da Coreia do Sul de vigiar a Coreia do Norte e aumentar nosso poder de dissuasão”, escreveu o líder interino do People Power e vice-presidente da Assembleia Nacional, Chung Jin-suk, em um post nas rede sociais.

Ameaças de revogação do tratado de 2018 ocorrem em meio a preocupações crescentes entre autoridades e mídia dos EUA e da Coreia do Sul de que Pyongyang está se preparando para novos testes nucleares. O país realizou seu último teste de bomba nuclear em 2017.

O que é o Acordo 9.19?
O Acordo Militar Abrangente Intercoreano, alcançado durante um degelo sem precedentes nas relações entre Pyongyang e Seul no final dos anos 2010, foi assinado em 19 de setembro de 2018 pelo líder norte-coreano Kim Jong-un e pelo então presidente sul-coreano Moon Jae-in.

O tratado levou ao estabelecimento de uma zona-tampão de 5 km entre os países em que exercícios militares de grande escala e exercícios de fogo de artilharia foram proibidos, e estabeleceu zonas de exclusão aérea de 40 e 20 km que se estendem para o leste e oeste do Exército Fronteira terrestre da Linha de Demarcação, respectivamente.

Ambos os lados se comprometeram a cessar todos os “atos militares hostis” ao longo da área de fronteira, e foram facilitados acordos mais amplos sobre reconciliação, não agressão, intercâmbios e cooperação. O tratado levou à remoção de minas terrestres próximas à Zona Desmilitarizada, ao desmantelamento de postos de guarda na fronteira da Área de Segurança Conjunta e ajudou a facilitar as negociações sobre o restabelecimento dos laços econômicos, sanitários, esportivos e outros.

O que acontece se o Tratado for desfeito
Alexander Vorontsov, chefe do Departamento de Coreia e Mongólia no Instituto de Estudos Orientais da Academia Russa de Ciências, diz que o término do tratado 9.19 teria repercussões dramáticas nas relações intercoreanas e na segurança regional como um todo, e destruiria um dos apenas acordos na história do pós-guerra da Coréia que comprometeram ambos os lados a medidas práticas para reduzir as tensões e se engajar na reconciliação.

“O acordo intercoreano é um documento extremamente útil que permite fortalecer as medidas de construção de confiança entre o Sul e o Norte, inclusive na Zona Desmilitarizada. No entanto, as forças de direita na ROK agora se opõem a isso, embora essa oposição não fortaleça nem um pouco a segurança de Seul. Pelo contrário, leva a medidas de retaliação de Pyongyang e uma retomada das tensões”, disse Vorontsov ao Sputnik em entrevista.

“Portanto, não está claro qual objetivo as forças que se opõem ao acordo intercoreano esperam alcançar”, disse o acadêmico. Se o acordo for cancelado, as tensões militares inevitavelmente aumentarão, e anos de esforços diplomáticos meticulosos dos presidentes Moon e Kim serão destruídos no processo, teme Vorontsov.

O especialista sublinhou que o tratado de 2018 desempenhou um papel importante e concreto na melhoria da situação de segurança na Península Coreana, uma vez que significou medidas práticas na esfera militar, algo que “acontece raríssimas vezes” nestes acordos. Ele enfatizou que os passos práticos reais destinados a alcançar um acordo intercoreano após a guerra de 1950-1953 podem “literalmente ser contados em uma mão”, com acordos anteriores amplamente limitados a intenções e declarações que não comprometeram nenhuma das partes a quaisquer medidas concretas. .

Vorontsov enfatizou que o atual ciclo de comportamento escalonado – testes de mísseis norte-coreanos por um lado e exercícios militares sul-coreanos com aliados por outro, não facilitará as coisas para nenhum dos lados.

As falsas promessas do governo Biden de prontidão para se encontrar com Kim ‘sem pré-condições’, enquanto continua tentando “sufocar” Pyongyang com sanções, não ajudou, enfatizou o especialista, ressaltando que o último ano e meio viu o colapso do equilíbrio da era Trump, que viu uma interrupção nos testes de mísseis norte-coreanos e um congelamento nos exercícios conjuntos dos EUA com a Coreia do Sul.

“Portanto, em janeiro, Pyongyang suspendeu sua moratória voluntária sobre os testes de [armas nucleares], embora esses testes ainda não tenham ocorrido. Mas parece que os EUA e a Coreia do Sul os aguardam impacientemente com tenacidade invejável, provocando abertamente Pyongyang a mantê-los”, disse Vorontsov.

O observador apontou que as expectativas anteriores de Seul e Washington – que Pyongyang poderia realizar um teste nuclear durante a posse de Yoon, ou durante a visita de Biden à Coreia do Sul, não se confirmaram. “Ou seja, o Norte não faz nada, mas a escalada no espaço da informação aumenta constantemente de qualquer maneira”, concluiu Vorontsev.

Publicidade
Publicidade