Curta nossa página


Produtores irados

Tratoraço em Bruxelas contra política para a agricultura

Publicado

Autor/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição, com Sputniknews - Foto Reprodução

Centenas de agricultores chegaram a Bruxelas para protestarem contra a política para a agricultura da União Europeia. Nesta quinta, 1, haverá uma reunião extraordinária do Conselho Europeu para discutir a crise política (provocada com a guerra Urânia-Rússia) e a situação econômica na Europa.

Os tratoristas entraram na cidade de forma organizada em vários sentidos, acompanhados pela polícia, e agora bloqueiam algumas autoestradas da capital belga. Incluem tanto agricultores belgas como os seus colegas de países vizinhos. Muitos esperam ficar em Bruxelas por mais de um dia.

A polícia bloqueou a entrada do edifício do Parlamento Europeu. Os manifestantes e as autoridades estão agindo pacificamente enquanto a polícia tenta apagar os incêndios. Um agricultor que participou na manifestação disse à RIA Novosti que os manifestantes não usariam de violência e esperava uma resposta dos líderes europeus presentes na cimeira.

Várias ruas perto do Bairro Europeu, em Bruxelas, estão congestionadas com tratores e caminhões, muitos deles descarregando feno nas próprias vias. Alguns manifestantes estão até exibindo seus produtos nas ruas.

O primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, disse que os líderes da UE deveriam incluir a questão dos protestos em massa dos agricultores em todo o bloco na agenda para discussão na cimeira do Conselho Europeu, uma vez que as exigências dos manifestantes eram parcialmente legítimas.

Entretanto, a polícia de Bruxelas registou a chegada de 1.300 tratores à capital belga, reunidos para participar nos protestos contra a política agrícola da UE no meio da reunião do Conselho Europeu em curso no bloco.

“Contagem oficial de Bruxelas: 1.300 tratores”, disse a polícia no X.

Para além da Bélgica, os protestos dos agricultores já causaram perturbações em França, Alemanha, Itália, Polónia, Roménia e Países Baixos. Na segunda-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, instou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a interromper a atual rodada de negociações de acordos comerciais com o bloco comercial sul-americano Mercosul em meio aos protestos, informou a mídia.

No entanto, na terça-feira, o porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer, disse que a comissão não suspendeu as negociações com o Mercosul e que continuaria a trabalhar para um acordo que cumprisse os objetivos de sustentabilidade da UE e tivesse em conta as preocupações do bloco na agricultura.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.