Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Trump acusado de tentar manipular a eleição nos EUA

Bartô Granja, Edição

O Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil) dos Estados Unidos divulgou nesta quinta, 26,  uma versão redigida da denúncia contra o presidente Donald Trump por suposto abuso de poder. As acusações surgiram após uma conversa por telefone com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky. A acusação motivou um pedido de impeachment de Trump.

O autor da denúncia, cuja identidade ainda não foi revelada, afirma que obteve indiretamente de outras autoridades do governo dos EUA a informação de que Trump havia solicitado “interferência de um país estrangeiro nas eleições americanas de 2020”, em que o mandatário tentará a reeleição.

O denunciante alega que a “interferência” seria alcançada por meio de processo contra um dos principais “rivais políticos domésticos” de Trump com a ajuda de seu advogado pessoal, Rudolph Giuliani. O autor da denúncia também disse que o procurador-geral Barr “parece estar envolvido” nessa ação.

O denunciante indica em sua reclamação que ele não era “uma testemunha direta” dos eventos que estava relatando, mas sugeriu que ossem ouvidos ao menos seis funcionários da Casa Branca. A versão é a de que após uma ‘breve troca de gentilezas’ com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, Trump usou o “restante do telefonema” para “adiantar assuntos pessoais”.

O denunciante afirmou que Trump havia “pressionado” Zelensky a investigar as atividades de Joseph Biden, eventual advers´rio do presidente na corrida eleitoral do próximo ano. Tump teria pedido ao colega americano apoio para manipular o processo eleitoral por meio de hackers.

A transcrição completa da conversa entre os dois presidentes revelou que o nome de Joseph Biden surgiu apenas uma vez durante toda a conversa. Especificamente, Trump expressou preocupação com o fato de Biden se gabar de interromper um certo processo na Ucrânia , supostamente contra seu filho.

“Há muita conversa sobre o filho de Biden. Que Biden parou a promotoria e muitas pessoas querem descobrir sobre isso. Então, o que você puder fazer com o procurador-geral seria ótimo”, disse Trump.

Segundo a transcrição, Trump também perguntou ao seu homólogo ucraniano se ele poderia “nos fazer um favor” e permitir que as autoridades ucranianas cooperem com o procurador-geral dos EUA em uma investigação sobre as atividades da empresa Crowdstrike, contratada anteriormente para investigar o Comitê Nacional Democrata.

Defesa
Donald Trump reagiu à publicação, acusando o Partido Democrata de tentar “destruir” seus oponentes republicanos e, assim, pôr em perigo todo o país.

Um porta-voz da Casa Branca, por sua vez, garantiu que “nada mudou” após a divulgação da denúncia, uma vez que é apenas “uma coleção de relatos de eventos de terceiros e recortes de imprensa”.

“A Casa Branca continuará pressionando a histeria e as narrativas falsas sendo ‘vendidas’ pelos democratas para a mídia”, disse o porta-voz.

A queixa do denunciante provocou uma nova onda de acusações contra Trump por suposto abuso de poder e desencadeou o início de procedimentos formais de impeachment.

Insinua-se nos meios políticos que Trump ultrapassou seus limites numa suposta tentativa de manipular as eleições, a ponto de tentar esconder o teor da conversa.

Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente