Curta nossa página


Acabou a munição

Ucrânia e Ocidente estão de mal a pior, diz Putin

Publicado

Autor/Imagem:
Svetiana Ekimenko/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Os EUA decidiram fornecer munições cluster para a Ucrânia porque a guerra por procuração movida pelo Ocidente contra a Rússia está ficando sem munição, disse o presidente Vladimir Putin à mídia local. “Eles [Estados Unidos] estão fazendo isso não por causa da ‘boa vida’, mas porque estão ficando sem munição em geral”, disse o chefe de Estado neste domingo, 16, respondendo a uma pergunta de um jornalista russo.

O líder russo lembrou que Washington anteriormente se referiu ao uso de munições cluster como um “crime”.
“Quanto às munições cluster, o próprio governo dos EUA forneceu uma avaliação dessas munições com comentários de sua equipe há algum tempo. Quando o uso de munições cluster foi considerado crime pelo próprio governo dos EUA.”

Moscou reserva-se o direito de responder adequadamente em caso de uso de munições cluster contra o país, enfatizou o presidente russo. “Claro, se eles forem usados ​​contra nós, nos reservamos o direito de espelhar ações”, disse Putin em entrevista à televisão russa.

Ele destacou que a Rússia, que possui vários tipos de munições cluster, ainda não precisou recorrer ao uso de armas letais. “A Rússia possui um estoque suficiente de vários tipos de munições cluster. Até agora, não os usamos… não precisávamos, apesar de também ter experimentado anteriormente uma escassez de munição”, observou Putin.

As munições cluster prometidas pelos EUA já foram entregues ao regime de Kiev, confirmou o Pentágono na quinta-feira. O tenente-general Douglas Sims, diretor de operações do Joint Staff J3, disse que as bombas “ foram de fato entregues à Ucrânia neste momento.”

As Forças Armadas da Ucrânia, de acordo com os militares russos, já haviam recorrido anteriormente ao uso das controversas munições cluster para bombardear o Donbass, em particular Donetsk. De acordo com o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, tenente-general Igor Konashenkov, isso indica que o objetivo dos militares ucranianos é matar um número máximo de civis.

As bombas de fragmentação são uma arma extremamente letal que contém dezenas ou centenas de submunições explosivas , ou bomblets, e são projetadas para maximizar o dano às forças inimigas em uma área de até várias centenas de metros quadrados.

No início do mês, o presidente Joe Biden disse que os Estados Unidos forneceriam bombas de fragmentação à Ucrânia como parte de seu pacote de ajuda militar ao regime de Kiev no valor de US$ 800 milhões por um período temporário, enquanto a base industrial dos EUA produz mais projéteis de artilharia de 155 mm.

Anteriormente, Biden e outros funcionários do governo deixaram escapar oficialmente que a base industrial de defesa dos EUA enfrentou dificuldades para reabastecer as dezenas de bilhões de dólares em armas enviadas à Ucrânia para combater a Rússia.

Vários aliados dos EUA, defensores dos direitos humanos e grupos anti-guerra, além da ONU e de Moscou, condenaram a decisão de Washington de enviar bombas de fragmentação DPICM lançadas por obuses para a Ucrânia.

A Rússia alertou que a entrega de munições cluster a Kiev marca outra grande escalada da crise ucraniana. Especialistas militares e grupos de direitos humanos expressaram temores sobre o regime de Kiev usar bombas de fragmentação fornecidas pelos EUA para bombardear civis no Donbass e em outros lugares, pois já fizeram isso usando outras armas fornecidas pela OTAN, como artilharia de longo alcance de 155 mm. sistemas, foguetes HIMARS e mísseis, em dezenas de milhares de ocasiões no último ano e meio.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.