Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Acabou a farra? Como, se o MST quer Lula livre?

Foto/Arquivo Nacional
Antônio Albuquerque

O secretário especial de Assuntos Fundiários, do Ministério da Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia, garante que o novo presidente do Incra, general Jesus Corrêa, vai acabar com a “farra” dos sem-terra no órgão responsável por executar a reforma agrária e o ordenamento fundiário nacional.

O Movimento dos Sem-Terra, porém, pensa diferente. A categoria promete ir às ruas exigindo liberdade para Lula. O movimento vai na esteira do PT, que promete como prioridade número um tirar o ex-presidente da prisão. E para isso começa a organizar uma grande marcha em direção a Brasília.

Para Nabhan, porém, “existe uma obrigatoriedade de mudar o Incra e tirar o seu viés ideológico e político, que tornou a instituição inviável”. Segundo ele, “a farra dos sem-terra lá no Incra, pode ter certeza que acabou. Não haverá mais qualquer interferência do MST na instituição”, afirmou o chefe do novo presidente da autarquia, advertindo nque não serão aceitos ‘abusos’.

No governo Bolsonaro, o Incra passou a ser subordinado ao Ministério da Agricultura. Até então, o instituto estava dentro da estrutura da Casa Civil.

“Nós vamos fazer reforma agrária? Vamos, mas dentro da lei. Vamos fazer demarcação de terras indígenas? Vamos, mas dentro da lei. Vamos fazer tudo dentro da lei e sem o viés ideológico, essa interferência política. Essa é a meta principal”, avisou.

Jesus Corrêa é o oitavo general nomeado para postos estratégicos no governo. Na opinião de Nabhan, Jesus “é um homem que vai impor respeito, vai por fim a este processo ideológico e político que domina o Incra”.

Foto/Arquivo Notibras

Para ele, houve uma “contaminação” que “desmoralizou” o órgão. “Durante muito tempo quem praticamente mandou lá no Incra foram os invasores de propriedade que incluem o MST, além de mais uma coleção de siglas”.

“Um homem com a estatura e a capacidade do general Jesus vai dar muito certo para que tenhamos um Incra imparcial, sem a batuta aí dessa indústria da invasão”, afirmou o secretário.

Nabhan explicou ainda que, debaixo das asas da secretaria que comanda ficarão todas as questões fundiárias, relacionadas a indígenas, quilombolas, reforma agrária, terra legal, ou Amazônia Legal. “Enfim, agora tudo que se refere à questão fundiária vem para esta pasta e a execução será a cargo do Incra”, disse.

Além do desmonte ideológico, a nova administração do Incra terá de lidar com os problemas de influência política nos diferentes Estados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente