Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Afinal, Nibiru vai mesmo destruir a Terra?

Foto/Reprodução
Bartô Granja

O chamado Planeta X, outro nome para o planeta do dia do juízo final de Nibiru, reverterá os pólos magnéticos da Terra e mudará drasticamente a forma de como é a Terra atualmente. Esse é o entendimento do teórico da conspiração estelar e pregador do juízo final Gordon James Gianninoto.

Notoriamente um crente de que o planeta mítico rebelde de Nibiru aparecerá de repente em nosso sistema solar antes de lançar os pólos magnéticos da Terra e libertar a gravidade selvagem, ele prevê que devastadores terremotos, vulcões e tsunamis ocorrerão em torno de um apocalipse.

Falando ao vivo pela rádio Coast to Coast AM, Gianninoto afirmou que o Planeta X não se aproximará diretamente da Terra, ao mesmo tempo em que afirma que o tamanho do corpo celestial ainda não comprovado, embora muito maior que a Terra, significa que ele vai atingir de uma distância impressionante de 24 milhões de km. Quando Nibiru chegar, o planeta levará uma hora para acabar com 90% da humanidade, concluiu o teórico da conspiração em sua previsão sombria.

“O que vai acontecer no começo, será que teremos terremotos, vulcões, surtos de maré, tempestades maiores”, disse o pregador, acrescentando: “nós vamos ter todos os tipos de coisas assim e o ritmo vai até o ponto onde os governos não podem resgatar ninguém. Você está sozinho e vai ver isso acontecer”.

Teorias de conspiração ao redor do misterioso Nibiru dizem que o mítico planeta atravessa nosso sistema solar em uma órbita longa e elíptica a cada 3.600 anos. A Nasa e a comunidade científica do resto do mundo rejeitaram todas as alegações relacionadas a Nibiru como sendo uma farsa.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente