Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


África

Alemanha devolve artefatos apreendidos em ex-colônias

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

Autoridades alemãs anunciaram que vários artefatos retirados da África durante a era colonial do país seriam devolvidos aos povos de quem foram retirados. No ano passado, Berlim também assinou um acordo para fazer pagamentos de restituição à Namíbia pelo genocídio cometido lá por colonos alemães no início do século 20.

O anúncio foi feito pela Fundação do Patrimônio Cultural da Prússia, que aprovou 24 objetos para devolução, incluindo joias, ferramentas e itens de moda.

“A decisão deixa claro que a questão da devolução de itens coletados em um contexto colonial nem sempre se resume a injustiça”, disse o presidente da fundação, Hermann Parzinger, em comunicado. “O significado especial – em particular espiritual – de um artefato para a comunidade de onde se originou também pode justificar o retorno.”

Incluída na lista está a estátua cravejada de conchas de Ngonnso’, a deusa mãe do povo Nso’ do noroeste de Camarões, que foi “doada” ao Museu Etnológico de Berlim em 1903 por um oficial militar alemão.

Também foram incluídos objetos apreendidos durante a Rebelião Maji Maji , uma revolta anticolonial que abalou a África Oriental Alemã, um território que inclui a atual Tanzânia, Burundi e Ruanda , de 1905 a 1907. Cerca de 300.000 africanos foram mortos na repressão da Alemanha.

Em maio, o museu anunciou que estava enviando 23 artefatos roubados para a Namíbia em empréstimo de longo prazo, mas não os devolveria imediatamente. Berlim chegou a um acordo no ano passado para admitir que cometeu genocídio contra os povos Herero e Nama da Namíbia de 1904 a 1908, quando eles se rebelaram contra a colonização alemã e foram expulsos de suas terras para o deserto como punição. O acordo inclui um pagamento de US$ 1,4 bilhão para a Namíbia, mas os descendentes daqueles que sobreviveram o consideraram insuficiente para corrigir os erros cometidos.

A Alemanha também se comprometeu a enviar outros artefatos de volta à África, incluindo os famosos Bronzes de Benin, esculturas intrincadas retiradas do Reino de Benin, que hoje faz parte da Nigéria, apesar da existência do país de Benin, que era uma colônia alemã.

Um estudo encomendado pelo governo francês em 2018, outra antiga grande potência colonial na África, descobriu que mais de 90% da arte africana está alojada em museus fora do continente. No entanto, mesmo na Europa, grande parte da arte pilhada pelos nazistas em suas guerras continentais nas décadas de 1930 e 1940 também não foi devolvida e continua sendo comercializada.

A notícia também vem quando os restos mortais de Patrice Lumumba, o arquiteto da independência do Congo-Kinshasa e o primeiro líder do país, foram devolvidos à República Democrática do Congo pela Bélgica, o ex-governante colonial. Lumumba foi assassinado pelos governos dos EUA e da Bélgica em 1961 por sua política de esquerda. Seus restos mortais foram preparados para o enterro em Haut-Katanga para 30 de junho, que é o dia da independência da República Democrática do Congo.

Publicidade
Publicidade