Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Agência Russa

Alienígenas estão estudando humanidade como micróbios

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tukanov/Via putiniknew - Foto Divulgação

A humanidade ponderou sobre a vida alienígena no universo desde os tempos da antiguidade, com interesse se intensificando no século 20, à medida que ganhamos a capacidade de nos envolver em exploração e exame limitados de corpos planetários próximos à Terra, e para melhor observar e ouvir a vida até bilhões de anos-luz de distância.

A vida em outros planetas definitivamente existe e provavelmente inclui formas de vida mais desenvolvidas e avançadas do que as da Terra, disse o chefe da Agência Espacial Russa, Dmitry Rogozin.

“É uma pergunta que atormenta a humanidade há milhares de anos: existe outra vida além daquela que existe em nosso planeta? Essa vida orgânica existe? Pode ser na forma mais simples. Por exemplo, estamos tentando entender se há sinais de metano na atmosfera marciana (o metano é um sinal de vida orgânica). Ou, por exemplo, se havia vida em Vênus, que foi destruída como resultado de mudanças térmicas. Isso é no que diz respeito ao interior do Sistema Solar”, disse Rogozin, falando à televisão russa.

“Mas entendemos que o espaço é infinito e que existe um número infinito de constelações, galáxias e mundos. Conhecemos, por exemplo, a Teoria do Big Bang, mas talvez esse Big Bang tenha ocorrido apenas no espaço exterior visível para nós, e além disso, o que não vemos, talvez existam muitos outros mundos assim. Isso sugere que há um número incontável de fatores que podem ser favoráveis ​​ao surgimento da vida, incluindo a vida inteligente. Considero-me um adepto desta perspectiva”, acrescentou.

Rogozin observou que as investigações de objetos voadores não identificados e outros fenômenos inexplicáveis ​​foram realizadas pela Academia Russa de Ciências e que, até o momento, “99,9” por cento das vezes, não estão conectados a nenhum fenômeno alienígena.

“Mas aceitamos que tais fenômenos possam existir, e estou pessoalmente familiarizado com os relatos de nossos honrados pilotos de teste soviéticos, que na década de 1970, ao testar novas tecnologias de aeronaves, encontraram coisas que os forçaram a esboçar o que viram depois de retornar de seus voos. Normalmente, isso ocorreu especificamente durante os primeiros voos de teste. Falei com pessoas da Nasa. Também há adeptos da ideia de que podemos ser objetos de observação externa. Eu gostaria de acreditar nisso”, disse Rogozin.

O chefe espacial russo não descartou que a Terra já está sob observação extraterrestre, e que os níveis atuais de tecnologia humana e compreensão da ciência podem simplesmente não estar avançados o suficiente no estágio atual para perceber isso ainda. “Nós não somos os únicos que podem estudar micróbios, mas podemoos ser estudados como micróbios”, brincou Rogozin.

Na entrevista, Rogozin também comentou sobre assuntos mais próximos de casa, relatando que o satélite do telescópio alemão eROSITA a bordo do observatório espacial Spektr-RG, caçador de buracos negros e mapeamento do universo, que foi desligado nesta primavera, poderia ser religado dentro de dois a quatro meses. Ele também revelou que os EUA pagaram o voo do astronauta Mark Vande Hei para a Estação Espacial Internacional em rublos usando o Axiom Space como intermediário. O astronauta chegou a bordo da ISS em uma espaçonave Soyuz MS-18 junto com os cosmonautas russos Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov em 9 de abril de 2021 e voltou à Terra em 31 de março de 2022.

A ideia de vida alienígena além do nosso planeta fascinou a humanidade por milhares de anos, com especulações sobre isso remontando pelo menos ao tempo do filósofo grego Demócrito. No século 20, à medida que a tecnologia avançava e a humanidade dava seus primeiros passos no espaço, o interesse se intensificou e cientistas, escritores e até políticos começaram a especular se a vida alienígena chegando à Terra seria amigável ou hostil.

Em um discurso perante as Nações Unidas em 1987, Ronald Reagan, ator de Hollywood que se tornou presidente, sugeriu que o mundo exigiria alguma “ameaça alienígena de fora deste mundo” para fazer as nações reconhecerem seu “vínculo comum”. O paleontólogo e escritor de ficção científica soviético Ivan Yefremov tinha uma perspectiva diferente e, em seu conto “Coração de uma Serpente”, levantou a hipótese de que, para uma civilização se tornar avançada o suficiente para dominar as viagens espaciais, primeiro teria que resolver suas diferenças em casa. Isso, sugeriu Yefremov, garantiria que qualquer primeiro encontro hipotético seria mais do que pacífico.

Publicidade
Publicidade