Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Ofensiva na Ucrânia

Americanos advertem russos para o risco de ataque nuclear

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

Os Estados Unidos reagiram neste domingo, 25, a um eventual ataque da Rússia à Ucrânia com armas nucleares, como havia admitido no meio da semana o presidente russo Vladimir Putin: a Casa Branca responderá decisivamente, e o Kremlin precisa saber das “consequências catastróficas” que virão pela frente.

A advertência partiu do conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan. Os comentários são o mais recente alerta americano após a ameaça nuclear velada feita por Putin na quarta-feira (21), quando ele também anunciou a primeira mobilização militar de seu país desde a Segunda Guerra Mundial.

“Se a Rússia cruzar essa linha, haverá consequências catastróficas para os russos. Os Estados Unidos responderão decisivamente”, disse Sullivan à emissora NBC. O conselheiro do presidente norte-americano Joe Biden não descreveu a natureza da resposta planejada, mas disse que Washington esclareceu para Moscou “com mais detalhes exatamente o que isso significaria”.

Sullivan enfatizou que o país está em contato frequente e direto com a Rússia. Joe Biden, em discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas na quarta-feira, acusou Putin de fazer “ameaças nucleares abertas contra a Europa” em desrespeito imprudente às responsabilidades de não proliferação nuclear.

A Rússia também está fazendo um referendo em quatro regiões do leste da Ucrânia com objetivo de anexar territórios que tomou durante a invasão lançada em fevereiro. A Ucrânia e seus aliados chamaram os referendos de farsa projetada para justificar uma escalada da guerra.

Depois de sofrer reveses no campo de batalha, Putin está mobilizando 300 mil soldados e ameaçando usar “todos os meios disponíveis” para proteger a Rússia. “Isso não é um blefe”, disse Putin nos comentários vistos no cenário mundial como uma ameaça ao uso potencial de armas nucleares.

Publicidade
Publicidade