Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Cultura

Ana e Sérgio contam ‘outras histórias’ ao som das cordas

Carolina Paiva, Edição

Formado pelo compositor e multi-instrumentista pernambucano Sérgio Ferraz e pela violinista paulista Ana de Oliveira, ambos radicados no Rio de Janeiro, o duo está lançando seu CD de estreia, “Carta de Amor e Outras Histórias”. O texto do encarte, assinado pelo maestro e compositor Ricardo Tacuchian, prima pela lúcida objetividade: “O disco é um verdadeiro cordel musical, uma síntese do popular com o erudito, um encontro norte-sul, uma superposição temporal contemporâneo/medieval”.

De fato, o violino de Ana de Oliveira, que ora se transfigura em rabeca e os violões de oito e doze cordas de Sérgio Ferraz, nos remetem a uma viagem sem igual ao vasto sertão sonoro proposto pelos dois exímios musicistas contemporâneos: Ana, com longa atuação como spalla de importantes orquestras e grupos de câmara brasileiros e Sérgio, um prolífero compositor com diversos discos já lançados, referência na música instrumental brasileira.

O disco começa com o samba-baião “Floresta do Navio”, que foi composto em homenagem à Floresta, cidade natal do pai do compositor no sertão pernambucano. Sua profundidade e riqueza composicionais se destacam na Suíte Armorial para violino e violão, originalmente composta por Ferraz em 2012, na forma de Concerto para violino e orquestra em três movimentos, dedicada ao escritor Ariano Suassuna.

Aqui, ganhou uma adaptação para violino e violão de 12 e 8 cordas e ganhou mais um movimento (Festa na Aldeia). “Mestre Salu” (1º movimento) é dedicado ao rabequeiro e mestre de maracatu rural, Mestre Salustiano e representa a união da cultura erudita e popular. O segundo movimento, “Lamento” expressa a aridez do deserto, as origens mouras quando essa cultura dominou a península ibérica deixando lá seus traços culturais. Já o movimento seguinte, “Zumbi”, apresenta-se como um maracatu de baque virado dedicado ao líder negro Zumbi dos Palmares. “Festa na Aldeia” conclui os quatro movimentos e nos remete às danças medievais e às danças populares do Nordeste brasileiro.

Sérgio Ferraz faz sua homenagem ao Rio de Janeiro em “Dia de São Sebastião” – primeira música escrita em solo fluminense e composta para violão solo, improvisada no estúdio com violão de 8 cordas, acrescida posteriormente de um segundo violão. O duo presta ainda uma homenagem ao grande músico fluminense Egberto Gismonti, em “Lôro” e “Frevo”, além da quase-valsa lenta “Eterna” (para violino solo) e a peça “Carta de Amor”, “ligadas entre si por uma criativa cadenza, composta pela própria violinista”, como bem registrou Ricardo Tacuchian no encarte concluindo sobre as obras do homenageado: “deste tríduo, onde perpassam elementos impressionistas e jazzísticos, como num sonho, sai o título do CD “Carta de Amor e Outras Histórias”. Sim, são muitas estórias amorosas porque somos muitos “Brasis”.

O CD “Carta de Amor e Outras Histórias” foi gravado em junho de 2019 no Estúdio de Roberto Frejat (Estúdio do Brou) no Rio de Janeiro, com capa de Romero Andrade Lima, design gráfico de Guga Burckhardt e conta com a participação especial do percussionista Marcos Suzano nas faixas “Zumbi” e “Festa na Aldeia”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente