Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

‘Anti-democratas invadem arena do Itaquerão’

Major-brigadeiro Jaime Sanchez

Os inimigos do Brasil apertam cada vez mais o cerco contra o governo e iniciaram uma nova fase do seu plano de desestabilização do país, que consiste não apenas em afastar o Presidente, mas tentar cassar sua chapa, para garantir a volta imediata ao poder da esquerda que levou o Brasil à bancarrota.

Com a crescente reação popular aos boicotes do Congresso e às ações cada vez mais ditatoriais e descabidas da Suprema Corte, os deserdados das tetas do tesouro passaram a lançar mão de um antigo e conhecido estratagema da esquerda: a utilização de baderneiros, chamados em 2013 de black blocks e agora internacionalmente batizados de “antifas”, que seria uma abreviação de anti-fascistas, incluídos recentemente pelo presidente Donald Trump na lista dos grupos terroristas.

No Brasil, seus membros são similares apenas na violência e nas vestimentas, compondo-se principalmente de baderneiros por natureza e militantes baratos, remunerados com sanduíches e uma pequena mesada.

Na manifestação de domingo, enquanto os “anti-democratas” estavam vestidos de verde e amarelo, muitos acompanhados de esposa e filhos e portando bandeiras nacionais, os “democratas” se apresentavam com roupas predominantemente pretas e máscaras, portando paus e pedras, gritando palavras de ódio e acompanhados de deputados esquerdistas conhecidos.

Por que esses falsos democratas e liberais não se vestem com as cores do Brasil e portam bandeiras? Por que suas faixas e cartazes são sempre vermelhos? Por que usam máscaras?

Nesse ataque, disfarçaram-se de torcedores dos times paulistas, utilizando demagogicamente uma paixão nacional, deixando patente que era uma ação planejada, provavelmente resultado da libertação pela Suprema Corte do gênio do mal, José Dirceu, e do encantador de miseráveis, Lula.

Não podemos esquecer que o ex-presidiário sugeriu que sua gente seguisse o exemplo do Chile, referindo-se às manifestações devastadoras que ocorrem naquele país.

As ações violentas do domingo foram repelidas pela polícia e receberam da mídia marrom uma versão ridícula e desesperada, de que a “violência policial estaria defendendo manifestantes anti-democratas, “fantasiados” de verde e amarelo, que atacavam os anti-bolsonaristas que ali estavam em defesa da democracia.

Na reportagem, imparcial, mostraram um terrorista com a camisa da seleção brasileira que ousou mergulhar e dar várias cabeçadas nos pés de alguns inocentes torcedores corintianos.

Esse vídeo, após liberado pelo decano para exibição nacional, foi enviado ao ministro Alexandre de Moraes para anexá-lo ao inquérito das fake news.
Na segunda-feira, a Globo, tentando imitar o “grande debate” da CNN, armou um programa semelhante para discutir a manifestação de domingo, com a democrata Miriam Leitão de mediadora. A única diferença é que os dois debatedores contratados defendiam o mesmo lado. Pena que não encontraram o Gerson Camarotti para a farsa ser mais autêntica.

Tudo indica que esse confronto tende a recrudescer, espalhando-se pelo país, pois a indignação da sociedade cresce a cada ato covarde do judiciário e as manifestações já não precisam ser convocadas; passou a ser um compromisso com a Nação, que está substituindo as missas do domingo.

O Presidente e os militares que o assessoram diretamente, inclusive o Ministro da Defesa e os Comandantes das Forças, repetem em notas e declarações públicas, o compromisso com a constituição, com a democracia e com a harmonia entre os poderes.

Do outro lado, o STF acolhe e dá prosseguimento a todo tipo de denúncia contra o governo, venha de quem vier, interferindo diretamente nas atribuições do poder executivo e semeando a desarmonia.

Segundo a rede CNN, o ministro Celso de Mello, relator do inquérito sobre a interferência do Presidente Bolsonaro na Polícia Federal, comparou o Brasil à Alemanha nazista, e disse que “os bolsonaristas odeiam a democracia e pretendem instaurar uma desprezível e abjeta ditadura”. Essa afirmação demonstra claramente sua aversão a um dos lados envolvidos naquele inquérito, razão pela qual Sua Excelência tem o dever moral de declarar-se suspeito para julgar a causa.

Além do mais, as cenas de policiais invadindo e revistando residências de inocentes, a mando de um ministro da Suprema Corte, são idênticas àquelas que assistimos em filmes onde nazistas caçam judeus em suas próprias casas.

Brasil acima de tudo, Deus acima de todos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente