Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mata-se o russo, livra-se o mercenário

Balas de verdade e de festim no pelotão de fuzilamento

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja- Foto de Arquivo

A Corte Européis de Direitos Humanos acaba e determinar uma medida ao menos controversa: m ação cautelar, proibiu que um prisioneiro de guerra ucraniano fosse executado, por seus crimes cometidos durante os combates que se travam na região do Donbass.

A decisão da Corte Europeia foi pautada no caso Saadoune v. Rússia e Ucrânia (pedido nº 28944/22) sobre um cidadão marroquino e um membro das Forças Armadas da Ucrânia que se rendeu às forças russas durante as últimos hostilidades.

Magistrados russos – e das repúblicas autoproclamadas do Donbass – reagiram à medida, pincipalmente quando se trata, ao menos em um caso, de um mercenário (o militar marroquino) pago sabe-se lá por quantos euros, para matar cidadãos pró-Rússia.

Ainda não se sabe se a manifestação da Corte será respeitada, uma vez que o Tribunal indicou em particular ao Governo da Federação Russa, que devem assegurar que a pena de morte imposta ao requerente seja suspensa; assegurar as condições adequadas da sua detenção; e, fornecer-lhe toda a assistência médica e medicamentos.

Em nenhum momento – é o que mais se critica em Moscou – a  Corte fez referências a soldados russos detidos pelas tropas de Kiev, que foram obrigados, sob pressão de tortura física e psicológica, a admitirem crimes de guerra e tiveram a mesma condenação.

Publicidade
Publicidade