Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Bateram em Jair Bolsonaro (e foi muito)

Mário Camargo

Se Jair Bolsonaro deu uma demonstração de força, incentivando milhares de seus seguidores a ocuparem as ruas nas principais cidades do país, dando a ele ‘carta branca’ para fazer o que desejar (no caso, confrontar Supremo e Congresso e promover um autogolpe), ao mesmo tempo chegou um recado ao Palácio do Planalto. Que o presidente não risque o pavio, porque a pólvora está com a oposição.

Isso ficou claro na live promovida pelas principais lideranças políticas brasileiras, Sem aglomerações, como manda o bom senso em plena pandemia, Bolsonaro virou alvo de críticas dos ex-presidentes Lula, Dilma e FHC, de Ciro Gomes e de outros próceres de oposição que dividiram 60% do Brasil neste sábado,  1º de Maio. Diz-se 60% (30% bolsonaristas e outros 30% contra o governo) porque há um contingente de 40%, ou seja, a maioria independente que não quer ver nenhuma das partes no poder.

Mas o recado foi firme. O palco virtual unificado das centrais sindicais colocou lado a lado após muitos anos a nata da oposição. “O Brasil está sendo devastado pelo governo do ódio e da incompetência”, criticou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após citar dados de desemprego no país.

“É o 1º de Maio do maior número de mortes de brasileiros indefesos vitimas da parceria trágica de um vírus mortal e um governo criminoso”, afirmou Lula, lembrando a marca de 400 mil vítimas da covid-19, que foi batida essa semana no Brasil. “É um dia de luto pelas 400 mil vidas perdidas por conta do covid-19, muitas delas porque o governo Bolsonaro se recusou a comprar vacinas que lhe foram oferecidas”, disse o petista. O ex-presidente disse ainda que Bolsonaro negou pagar os R$ 600 de auxílio emergencial durante a pandemia e que o país tem “19 milhões de brasileiros, que estão hoje passando fome, abandonados a própria sorte pelo desgoverno”.

Já Dilma Rousseff seguiu na mesma linha e também criticou a forma que Bolsonaro tem conduzido a pandemia. “Vivemos uma catástrofe sanitária e social. O Brasil está submetido ao comportamento genocida de um governo que despreza a vida e despreza os mortos. O governo neoliberal e neofascista jogou o Brasil no abismo. Fábricas estão fechando e deixando milhares de operários desamparados. Pequenos negócios entraram em falência sem nenhum apoio”, acusou. A petista, no entanto, disse que antes da pandemia o governo não havia prestado qualquer ajuda às famílias mais necessitadas.

Por sua vez, Ciro Gomes, ex-governador do Ceará e uma das principais figuras do PDT, disse que este é o “pior 1º de Maio” da história por causa da pandemia do coronavírus e da irresponsabilidade do governo federal, cuja condução do enfrentamento da crise sanitária é alvo de uma CPI aberta no Senado.

Por fim, sem críticas diretas críticas diretas ao governo federal, o tucano FHC disse que, durante toda a sua trajetória política, procurou prestigiar aqueles que lideram os trabalhadores brasileiros. O tucano disse ser necessário reabrir a economia brasileira com segurança, para gerar trabalho e renda para os brasileiros. “É fundamental hoje nós pensarmos nos trabalhadores porque há muito desemprego no Brasil. Eu diria que a questão fundamental no Brasil hoje é reabrir a economia de modo tal que ela possa permitir que tenhamos trabalho, renda, para as nossas famílias”, declarou.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2021 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente