Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Saúde

Bebidas quentes são boas, mas atraem o câncer

Foto/Divulgação
Ludimila Honorato

Nada melhor do que um bom chá, chocolate ou cafezinho quente em um dia frio. A sensação de aconchego é imediata e os sabores trazem um fio de alegria para quem não gosta do clima. Mas, apesar do prazer, é preciso ficar atento à temperatura da bebida, pois o consumo constante dos líquidos quentes pode elevar o risco de desenvolver câncer de esôfago.

A informação parece alarmante, mas não há motivo para grandes preocupações se a moderação e o bom senso nortearem esse caminho. A relação entre bebida quente e a doença já era conhecida pelos especialistas, mas, pela primeira vez, uma investigação analisou de forma objetiva a temperatura.

Segundo um estudo publicado em março no International Journal of Cancer, beber 700 mililitros de chá quente por dia, a uma temperatura igual ou superior a 60ºC, aumenta em cerca de 90% o risco de câncer de esôfago.

Mais de 50 mil pessoas do nordeste do Irã, entre 40 e 75 anos de idade, participaram do estudo. Elas foram acompanhadas por uma média de dez anos e, entre 2004 e 2017, foram identificados 317 novos casos de câncer esofágico. Todos foram associados à preferência por chá muito quente e menor tempo de espera para a bebida esfriar.

“Sabemos que o câncer de esôfago no Brasil é aumentado nos Estados do sul, muito provavelmente pela ingestão do chimarrão quente”, diz Raphael Araujo, cirurgião oncológico do aparelho digestivo e professor adjunto da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ele explica que, ao passar pela boca e esôfago, a temperatura da bebida tende a diminuir, mas ainda assim há um risco.

“Isso leva a uma lesão do tecido de revestimento interno do esôfago, a mucosa. Com essa lesão, o órgão fica mais facilmente exposto a novos agentes carcinogênicos porque perde a barreira natural de proteção”, explica o médico. O resultado é semelhante à ingestão crônica de bebida alcoólica, um dos principais fatores para o câncer esofágico.

O epidemiologista de câncer Farhad Islami, um dos autores do estudo, disse que o risco da doença aumentou consistentemente conforme a temperatura. Ele destaca que a investigação focou em pessoas que consumiam grandes quantidades de chá e muito quentes. “Mais estudos são necessários para avaliar os efeitos de quantidades menores de chá a altas temperaturas”, falou

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente