Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

‘Bolsonaro é novo Hitler; nem pense em atacar’, diz Maduro

A aproximação de Bolsonaro com Guaidó irritou Maduro. Foto/Arquivo Notibras
Bartô Granja, Edição

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, atacou seu colega brasileiro Jair Bolsonaro, chamando-o de “imitador de Hitler”, “louco” e “fascista”. Maduro criticou neste sábado, 13, as recentes ameaças do presidente brasileiro sobre a participação de seu país em uma intervenção militar na Venezuela.

Falando a uma multidão na capital do país, Caracas, o chefe de Estado venezuelano, segundo versão do portal russo Sputniknews, disse que depois de visitar os EUA e Israel, o presidente brasileiro se tornou “mais louco do que nunca”.

“No final, o que é Bolsonaro? Um pombo fascista, o pombo de Hitler, é isso que Bolsonaro é, o imitador de Hitler, um maluco que chegou à presidência”, disse ele.

Ele questionou o raciocínio por trás da possível intervenção do Brasil, dizendo que nunca houve ameaças de invadir um país vizinho de um presidente brasileiro. Ele denunciou as alegações de Bolsonaro como uma violação da Carta da ONU, leis internacionais e humanitárias, bem como acordos de cooperação entre o Brasil e a Venezuela em vigor há mais de um século.

“E eu digo, qual é a causa da guerra? Por que isso vai nos invadir? A Venezuela se envolveu com o Brasil por causa de alguma coisa? Existe alguma coisa de a Venezuela tenha roubado o Brasil?” Maduro enfatizou que o povo venezuelano rejeita categoricamente a ameaça de guerra e invasão militar de Bolsonaro.

De acordo com os relatórios da Reuters no início desta semana, Bolsonaro disse que se houvesse uma invasão militar na Venezuela, ele perguntaria ao parlamento do país se o Brasil deveria participar. O presidente brasileiro teria revelado que o Brasil e os EUA estão tentando semear a dissidência dentro do exército da Venezuela. Ele também previu a guerra de guerrilha travada pelos defensores de Maduro e quem assumisse o poder se qualquer intervenção militar depusesse Maduro.

Ele repetiu declarações dos EUA, de que o Brasil está fortemente alinhado com Trump na crise da Venezuela, reconhecendo o autoproclamado presidente Juan Guaidó e prometendo “fazer todo o possível para restabelecer a ordem, a democracia e a liberdade”, disse Bolsonaro.

Recentemente, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, falou sobre a falta de ambiguidade de Donald Trump sobre o assunto e confirmou que a intervenção militar ainda é uma opção em meio à atual crise política, na qual Washington apoiou Guaido e denunciou Nicolas Maduro.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente