Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Brasil acumula derrotas por seu apoio a Trump

Mariana Sanches/BBC News

Em um período de apenas 15 dias, o Brasil amargou três derrotas diplomáticas para os Estados Unidos. Mas, de acordo com pessoas com conhecimento direto das negociações, que conversaram reservadamente com a BBC News Brasil, o governo brasileiro não foi pego de surpresa pelos reveses: ao contrário, o Itamaraty teria atuado diretamente para promover o interesse dos Estados Unidos sobre os nacionais.

O motivo: ajudar o republicano Donald Trump em sua tentativa de reeleição à Casa Branca. Em desvantagem nas pesquisas eleitorais nacionais, Trump enfrentará as urnas em menos de 50 dias.

A sequência de ações é considerada “eleitoreira” e “mostra de subserviência”, disseram diplomatas ouvidos pela reportagem.

No dia 28 de agosto, os americanos anunciaram que cortariam em mais de 80% a importação de aço brasileiro até o fim do ano. Ao fazê-lo, ainda agradeceram ao “diálogo construtivo” com o chanceler Ernesto Araújo. Treze dias mais tarde, o governo brasileiro decidiu expandir por mais três meses o prazo para importação de etanol americano com tarifas mais baratas, contrariando o interesse dos próprios produtores brasileiros.

E no último fim de semana, o país ajudou a chancelar o nome de um ex-oficial do Departamento de Estado, o trumpista Mauricio Claver-Carone, para a presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), cuja direção, pelas regras tácitas do banco, caberia ao Brasil.

Segundo analistas, as nuances de cada um desses lances revelam o interesse da gestão Jair Bolsonaro de atuar para fortalecer a posição eleitoral de Trump entre latinos e nos chamados corn belt – como os americanos costumam chamar os Estados produtores do milho, com o qual fabricam o etanol – e rust belt – o cinturão da ferrugem, estados cuja economia se baseou por décadas em uma indústria siderúrgica alquebrada que Trump prometeu restaurar.

“Nos últimos 20 meses, o governo Bolsonaro isolou-se internacionalmente, fiando a relevância global do Brasil à permanência de Trump no poder. A reeleição de Trump, portanto, é uma questão de sobrevivência internacional do governo Bolsonaro. As concessões assumem profunda simbologia e visam dar a Trump vitórias diplomáticas à véspera da eleição”, diz Guilherme Casarões, professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas.

Desde junho, os americanos passaram a pressionar o Brasil com a possibilidade de recolocar tarifas sobre o aço brasileiro. Graças a um acordo firmado em 2018, uma dada quantidade de chapas do metal produzidas pelo Brasil podia entrar nos Estados Unidos sem encarar as barreiras tarifárias de 25% impostas pela gestão Trump.

Ao criar o sistema protecionista, Trump cumpria uma de suas principais promessas de campanha, cujo mote era “America First”: tentar proteger a indústria siderúrgica americana e os empregos de seus operários que, em 2016, deram a Trump a vitória eleitoral em estados como Michigan, Pensilvânia, Wisconsin e Ohio.

No entanto, os poucos resultados da política econômica para reanimar o setor siderúrgico americano e a possibilidade de perder a disputa para os democratas nesses estados – as pesquisas mostram Joe Biden na liderança em Michigan, Pensilvânia e Wisconsin – levaram o governo Trump a cogitar a retomada das tarifas sobre o produto brasileiro, como uma sinalização a seu eleitorado.

Na negociação com o Brasil, os representantes de Trump deixaram claro que a decisão não se devia só à contração econômica provocada pelo coronavírus, mas ao momento político do país.

O recurso de tarifar o aço brasileiro para agradar o eleitorado não é inédito no histórico de Trump. Em dezembro do ano passado, depois de acusar o Brasil de propositalmente depreciar o valor do real frente ao dólar, Trump já havia anunciado que taxaria o produto brasileiro, medida da qual recuou quase 20 dias depois, graças a gestões do Itamaraty. Agora, o governo Trump chegou a sugerir que o governo brasileiro contivesse a saída do aço do país, o que os produtores não aceitaram.

Diante da inevitabilidade da tarifa, Ernesto Araújo teria conseguido amortecer o impacto político da medida para Bolsonaro ao convencer os americanos a cortar a quantidade importada do Brasil, em vez de retomar os impostos nas transações comerciais. Para o setor produtivo, dizem os especialistas, pode ser uma solução ainda pior que a tarifa, já que na prática impede a exportação pelo Brasil. O prazo das restrições deixam claro o objetivo eleitoreiro da medida: Brasil e Estados Unidos retomarão conversas em dezembro, um mês após o pleito.

Diante da derrota no aço, a expectativa dos produtores brasileiros e dos analistas de mercado era de que o Brasil fosse revogar a isenção de tarifa para importação do etanol americano, aplicada por Bolsonaro no ano passado e vencida em agosto.

Ao zerar a tarifa sobre a importação do etanol, em 2019, o presidente brasileiro atendia a um pedido de Trump. Seu ato criou uma crise com a base ruralista no Congresso, que chegou a divulgar nota dizendo que “os interesses norte-americanos não podem se sobrepor ao dos brasileiros” e ameaçou derrotar o governo nas reformas a serem aprovadas na casa.

Agora, a condição dos empresários do setor sucroalcooleiro é ainda mais delicada que há 12 meses: os estoques estão quase 50% mais abastecidos do que no mesmo período do ano passado por conta da redução do consumo de combustíveis desde o início da pandemia. Os produtores de cana de açúcar esperavam que o governo anunciasse uma linha de crédito para socorrer o setor, que precisa aumentar sua capacidade de estocar.

Ao contrário, recebeu a notícia de que até dezembro mais 187,5 milhões de litros de etanol americano poderão entrar no mercado brasileiro sem impostos. Só depois das eleições americanas haverá revisão da tarifa.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente