Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Portas abertas à Venezuela

Brasil vai reabrir embaixadas fechadas por Bolsonaro

Publicado

Foto/Imagem:
Pretta Abreu , Edição- Foto de Arquivo

O futuro governo de Luiz Inácio Lula da Silva quer reabrir as embaixadas do Brasil que o presidente Jair Bolsonaro fechou nos últimos quatro anos, segundo informações de Celso Amorim, que faz parte do grupo de transição do governo.

Segundo entrevista do ex-chanceler e ex-ministro da Defesa ao UOL, além da retomada de embaixadas que foram fechadas, o novo governo avaliará a criação de novos postos diplomáticos em locais onde o país ainda não tem presença.

Antes de Jair Bolsonaro vencer a eleição em 2018, o Brasil contava com cerca de 140 representações no exterior.
Em 2020, apenas no continente africano, foram fechadas as missões diplomáticas em Freetown (Serra Leoa) e Monróvia (Libéria). A ideia, segundo Amorim, é retomar os trabalhos nesses locais e ainda considerar países como Ruanda e Gâmbia.

No Caribe, as embaixadas localizadas nas cidades de Saint George’s (Granada), Roseau (Dominica), Basseterre (São Cristóvão e Névis), Kingstown (São Vicente e Granadinas) e Saint John’s (Antígua e Barbuda) deixaram de existir e tiveram suas funções acumuladas na representação brasileira em Bridgetown (Barbados).

Na América do Sul, a Embaixada do Brasil em Caracas e os consulados e vice-consulados espalhados pela Venezuela também serão reabertos, após o rompimento com o governo de Nicolás Maduro. Falando no Fórum Brasil África 2022, em São Paulo, Amorim deixou claro que o continente africano “será prioridade de Lula“. Além das embaixadas, o Brasil vai reabrir os postos de adidos militares em locais considerados estratégicos no continente.

Publicidade
Publicidade