Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Brasileiro precisa de força e coragem em 2021

Sérgio Mansilha

Força! A palavra surgiu em meu cérebro perto do final de dezembro, mais cedo do que eu normalmente começaria a procurar uma palavra para orientar o próximo ano. Por que, do nada, essa palavra estava brilhando em minha mente como um sinal de néon? Por cerca de três segundos, ponderei a questão e então soube; esta era a palavra de que eu precisava para 2021.

Nos últimos tempos, todos os anos, tenho gostado de escolher uma palavra para o ano novo, originalmente inspirada por uma leitora de meu blog que me escreveu sobre seu hábito de usar palavras-guia. Desde então, tenho escrito um artigo sobre minha palavra e ouvi de muitos leitores do blog sobre a deles.

Eles escreveram sobre por que escolheram “restaurar” ou “limpar” ou “paciência” ou “foco”. Uma senhora enviou uma foto mostrando que ela havia reforçado sua intenção de ano novo com um bordado emoldurado de “agradecer”. Uma das minhas escolhas favoritas veio de uma senhora que disse que escolheu “amanhã” porque aos 85 anos ela estava ansiosa por seus amanhãs mais do que nunca.

Pessoal, uma palavra-guia não é uma resolução. É mais suave. É mais como um amigo parado na beira da estrada com um mapa, dizendo: Quando você se perder, pense em mim e eu o ajudarei a voltar aos trilhos. Mas em um mundo repleto de boas palavras, qual escolher? A escolha pode ser difícil e geralmente passo alguns dias analisando as possibilidades.

Um ano eu escolhi “pausar”, parando por um momento, respirar fundo, pensar sobre isso antes de falar ou agir. Outro ano eu escolhi “profundeza”, como em se livrar do lixo, mental e físico, que atravessa sua vida. Uma vez escolhi “ajudar”, como tentar ajudar outras pessoas, que também é uma forma de ajudar a si mesmo.

No ano passado, escolhi “lento”, que acabou sendo mais adequado para 2020 do que eu sonhava. Eu escolhi isso como um lembrete para não correr pela vida, quer estivesse no carro ou no quarto. Então a pandemia chegou para nos atrasar a todos, de maneiras que nunca havíamos imaginado, quer quiséssemos ou não.

Qualquer uma dessas palavras seria útil em 2021. Mas “força” surgiu em meu cérebro com tanta exatidão que decidi não procurar mais. Eu, no entanto, pesquisei e encontrei esta definição nos dicionários online, como:

A capacidade de resistir a adversidades. Especialmente; a capacidade de sustentar um esforço ou atividade prolongada e estressante.

Gostei dessa definição, mas também da versão um pouco mais simples designada “para alunos de língua portuguesa”, ou seja, a capacidade de fazer algo difícil por muito tempo, a capacidade de lidar com a dor ou sofrimento que continua por muito tempo.

Frequentemente associamos força com feitos atléticos, a força necessária para correr uma maratona, escalar uma montanha ou segurar uma prancha abdominal por três minutos.

Frequentemente, como as definições sugerem, associamos a palavra com dor emocional, afinal, suportamos guerras, insultos e mortes de pessoas que amamos.

De acordo com a definição, a força é uma habilidade e é útil reconhecer que nunca temos controle total sobre nossas habilidades. Mas podemos desenvolver nossas habilidades, e a força é, em certa medida, uma função do treinamento. É aí que a palavra se torna útil.

Pessoal, uma palavra-chave é seu personal trainer, uma palavra que fortalece sua vontade quando você se sente fraco. Portanto, meu plano para 2021 é dizer “força” quando sinto que vou falhar, quer envolva a pandemia ou meu trabalho ou aquela prancha abdominal, sempre tendo em mente que a força, como tantas outras coisas, às vezes é fortalecida pelo fracasso.

Quando pensamos em nossa força, nós resistimos, nós aguentamos, nós superamos, nós continuamos. Então, continue quando doer. Continue quando estiver difícil. Continue quando o caminho for longo e o fim difícil de imaginar.

Como incentivo extra, tentarei me lembrar do poema “Don’t Quit” de John Greenleaf Whittier. Abaixo uma estrofe do mesmo:

Quando os fundos estão baixos e as dívidas são altas/E você quer sorrir, mas você tem que suspirar/Quando o cuidado está pressionando um pouco/Descanse se precisar, mas não desista.

Pense nisso.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente